Com alta descontrolada dos alimentos, governo Bolsonaro imita Sarney e reedita "Sunab"

Secretaria do Ministério da Justiça poderá aplicar multas de até R$ 10 milhões em supermercados, caso encontre "preços abusivos"

(Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Da revista Fórum – O Ministério da Justiça do governo do presidente Jair Bolsonaro, comandado por André Mendonça, decidiu atuar nesta quarta-feira (9) contra os supermercados em meio ao aumento de preços e à retenção de produtos. A atuação do ex-capitão diante dessa crise tem sido comparada com a do ex-presidente José Sarney.

Segundo informações do jornalista Murillo Camarotto, do Valor Econômico, a Secretaria Nacional do Consumidor (Senacon), do Ministério da Justiça, deu cinco dias para supermercados, cooperativas de alimentos e associações justificaram o aumento nos preços. Caso a Senacon entenda que há preços abusivos, multas de até R$ 10 milhões podem ser aplicadas, segundo a entidade.

Leia a íntegra na Fórum 

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como:

• Cartão de crédito na plataforma Vindi: acesse este link

• Boleto ou transferência bancária: enviar email para [email protected]

• Seja membro no Youtube: acesse este link

• Transferência pelo Paypal: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Patreon: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Catarse: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Apoia-se: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Vakinha: acesse este link

Inscreva-se também na TV 247, siga-nos no Twitter, no Facebook e no Instagram. Conheça também nossa livraria, receba a nossa newsletter e ative o sininho vermelho para as notificações.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247