Com aumento de imposto, governo admite fracasso e quer turbinar inflação

Com o aumento das contribuições PIS e Cofins sbre os combustíveis, o governo está admitindo o fracasso da política monetária, além de deixar clara a intenção de turbinar a inflação; "O interesse é turbinar a inflação. Estamos entrando numa deflação por causa da recessão fortíssima, o que é um problema para o Banco Central, que quer continuar pagando os juros abusivos e justificar a taxa de juros alta para controlar a inflação", diz Maria Lucia Fattorelli, auditora aposentada da Receita Federal e fundadora do movimento Auditoria Cidadã da Dívida; IPCA de junho de 2017 registrou deflação de 0,23%, a primeira desde junho de 2006

Com o aumento das contribuições PIS e Cofins sbre os combustíveis, o governo está admitindo o fracasso da política monetária, além de deixar clara a intenção de turbinar a inflação; "O interesse é turbinar a inflação. Estamos entrando numa deflação por causa da recessão fortíssima, o que é um problema para o Banco Central, que quer continuar pagando os juros abusivos e justificar a taxa de juros alta para controlar a inflação", diz Maria Lucia Fattorelli, auditora aposentada da Receita Federal e fundadora do movimento Auditoria Cidadã da Dívida; IPCA de junho de 2017 registrou deflação de 0,23%, a primeira desde junho de 2006
Com o aumento das contribuições PIS e Cofins sbre os combustíveis, o governo está admitindo o fracasso da política monetária, além de deixar clara a intenção de turbinar a inflação; "O interesse é turbinar a inflação. Estamos entrando numa deflação por causa da recessão fortíssima, o que é um problema para o Banco Central, que quer continuar pagando os juros abusivos e justificar a taxa de juros alta para controlar a inflação", diz Maria Lucia Fattorelli, auditora aposentada da Receita Federal e fundadora do movimento Auditoria Cidadã da Dívida; IPCA de junho de 2017 registrou deflação de 0,23%, a primeira desde junho de 2006 (Foto: Paulo Emílio)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Eduardo Maretti, Rede Brasil AtualAo promover o aumento da gasolina, via aumento das contribuições PIS e Cofins, o governo está admitindo o fracasso da política monetária. Pior do que isso, na opinião de Maria Lucia Fattorelli, auditora aposentada da Receita Federal e fundadora do movimento Auditoria Cidadã da Dívida, tudo indica que, por trás da medida, esteja a intenção do Banco Central de aumentar a inflação.

"O interesse é turbinar a inflação. Estamos entrando numa deflação por causa da recessão fortíssima, o que é um problema para o Banco Central, que quer continuar pagando os juros abusivos e justificar a taxa de juros alta para controlar a inflação", diz. "Essa crise está desmascarando isso. O BC quer um motivo para aumentar a inflação e para isso não tem coisa melhor do que aumentar o combustível, que traz o aumento de tudo em cascata." De acordo com ela, uma inflação em queda muito acentuada causa problemas na atualização monetária paralela que é feita da dívida.

O IPCA de junho de 2017 registrou deflação de 0,23%, a primeira desde junho de 2006. Além da equação inflação-juros, Maria Lúcia vê no atual quadro "um período de inanição total" e um círculo vicioso, já que cada empresa que quebra é menos tributo a ser arrecadado, empregados perdem emprego e deixam de contribuir e de comprar.

"Quanto mais a economia cai, mais desemprego, o que faz cair o comércio, que por sua vez não demanda a indústria. De onde vai sair o dinheiro? Então o governo aumenta a gasolina", diz a economista. "E o comércio, a indústria, acham que a reforma trabalhista foi boa para eles, que podem diminuir os encargos. Eu quero saber agora quem vai comprar os produtos deles."

Para ela, é incompreensível que ainda haja empresários "iludidos" com Temer. "Ele está sendo bom só para o setor financeiro, que continua sendo o mais privilegiado do país, como foi em todos os governos anteriores, sem exceção alguma."

Presidente da Comissão Mista de Orçamento durante o governo da presidenta Dilma Rousseff, o deputado federal Paulo Pimenta (PT-RS) diz que aumento de imposto que recai sobre preço de combustível é "injeção na veia da inflação". Pimenta lembra que, quando o governo propôs a PEC do teto de gastos, tanto o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, quanto o presidente Michel Temer, assumiram publicamente que a aprovação da PEC dispensaria a necessidade de aumento de impostos. "Isso for formalizado perante a sociedade. Portanto, aplicaram uma mentira no povo brasileiro e no próprio Congresso. A PEC foi aprovada com esse compromisso."

Para o parlamentar, o aumento dos tributos revela que a política econômica baseada no controle de gastos e da redução de investimentos falhou. O governo teve que aumentar impostos porque a arrecadação não se realizou, já que a economia está paralisada, avalia. "Tudo isso revela a falência dessa política econômica que o golpe tentou implementar."

Manifestações de 2013
Pimenta lembra que a Federação das Indústrias do Estado de São Pulo (Fiesp) e a TV Globo, por exemplo, alimentaram o discurso do golpe com base em algumas questões como a dos impostos.

O que remete às mobilizações de junho de 2013. "Aquelas manifestações contra o aumento de 20 centavos do transporte coletivo, as chamadas jornadas de 2013, hoje fica evidenciado que foram patrocinadas. Onde estão os movimentos de rua? Agora não tem o dinheiro que pagou a mobilização, os caminhões, a articulação. Aquilo foi uma mobilização artificial com o objetivo de desestabilizar o governo da Dilma", afirma Pimenta.

Na sexta-feira, o deputado federal Júlio Delgado disse que o aumento tributário sobre os combustíveis, além do contingenciamento de R$ 5,9 bilhões de despesas não obrigatórias do Orçamento, mostra a dificuldade crescente de Temer. Para ele, a volta do pato à Avenida Paulista demonstra que "pode haver um abandono, agora do setor empresarial, que ainda sustentava Temer".

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247