Com real desvalorizado, dólar fecha o ano em alta sendo a melhor aplicação em 2020

Sob o governo de Jair Bolsonaro e Paulo Guedes, a moeda brasileira registrou o segundo pior desempenho global no ano em meio à pandemia de Covid-19. Dólar acumulou alta de 30% ao longo de 2020

Dólar e Paulo Guedes com Jair Bolsonaro
Dólar e Paulo Guedes com Jair Bolsonaro (Foto: Reuters | Reuters/Adriano Machado)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - O dólar comercial encerrou o último pregão do ano cotado a R$ 5,189 na venda (+0,11%). Dezembro foi de baixas para a moeda norte-americana, que desvalorizou 2,95% frente ao real, mas não o suficiente para minimizar a alta acumulada de 29,33% em 2020.

Sob o governo de Jair Bolsonaro e Paulo Guedes, a moeda brasileira registrou o segundo pior desempenho global no ano em meio à pandemia de Covid-19, sendo a sexta moeda que mais perdeu valor em relação ao dólar em 2020, numa lista com 121 países, segundo ranking da Austin Rating.

A  desvalorização anual foi de 22,4% da moeda brasileira, ficando atrás da Angola, Argentina, Zambia, Seychelles e Venezuela. Todos eles passam por momentos econômicos delicados.

O Ibovespa, por sua vez, fechou em baixa de 0,33%, aos 119.017,24 pontos. Com isso, não conseguiu renovar o recorde de encerramento, obtido em 23 de janeiro — ocasião em que terminou aos 119.527,63 pontos.

No ano, o índice acumulou uma leve alta de 2,9%, com destaque para as ações ligadas a commodities (embaladas pelo preço do dólar) e do segmento de e-commerce (embaladas pelas medidas de isolamento), predominantemente.

De acordo com o Banco Central, o fluxo cambial do ano até 24 de dezembro ficou negativo em US$ 24,524 bilhões. A saída pelo canal financeiro até 24 de dezembro foi de US$ 48,045 bilhões. O resultado é fruto de aportes no valor de US$ 479,052 bilhões e de envios no total de US$ 527,097 bilhões. O segmento reúne os investimentos estrangeiros diretos e em carteira, remessas de lucro e pagamento de juros, entre outras operações.

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

Cortes 247

Apoie o 247

WhatsApp Facebook Twitter Email