Construtoras nacionais perdem R$ 55 bi em dois anos. Motivo: Lava Jato

Acusadas de corrupção pela Lava Jato e em meio à recessão econômica do governo Michel Temer, as seis maiores empreiteiras nacionais, responsáveis pelos principais projetos de infraestrutura do país, acumulam prejuízos da ordem de R$ 55 bilhões desde 2015; além de afetar o caixa das empresas e o andamento de obras, um outro efeito derivado da Lava Jato atingiu diretamente os trabalhadores: as empresas responderam por 200 mil das 500 mil demissões registradas pelo setor de construção civil durante o período

www.brasil247.com - Construtoras nacionais perdem R$ 55 bi em dois anos. Motivo: Lava Jato
Construtoras nacionais perdem R$ 55 bi em dois anos. Motivo: Lava Jato
Siga o Brasil 247 no Google News

247 - Acusadas de corrupção pela Lava Jato e em meio à recessão econômica agravada nos últimos anos em decorrência das políticas do governo Michel Temer, as seis maiores empreiteiras nacionais, responsáveis pelos principais projetos de infraestrutura do país, acumulam prejuízos da ordem de R$ 55 bilhões desde 2015. Além da queda no faturamento, que foi reduzido de R$ 77 bilhões para R$ 22 bilhões, um outro efeito derivado da Lava Jato atingiu diretamente os trabalhadores. Sem recursos, a Odebrecht, Constran, Andrade Gutierrez, Queiroz Galvão, Mendes Júnior e Camargo Corrêa responderam por 200 mil, das 500 mil demissões, registradas pelo setor de construção civil durante o período.

Os impedimentos legais, que levaram muitas destas empresas a serem impedidas de participarem de licitações, escassez de investimentos em grandes projetos devido à crise econômica, fez com que as empreiteiras buscassem alternativas, seja pela criação de novas empresas para ficarem fora do radar da Lava Jato, oferecimento de descontos, maior inserção no mercado internacional – apesar de muitas delas também estarem sob investigação em diversos países.

Ainda assim, os prejuízos persistem, uma vez que os problemas financeiros e jurídicos não foram resolvidos. A Queiroz Galvão tenta negociar uma dívida da ordem de R$ 10 bilhões junto a diversas instituições financeiras. A Andrade Gutierrez não conseguiu uma fatura de US$ 500 milhões cobrada por credores internacionais e Mendes Júnior ainda não conseguiu fazer valer os eu plano de recuperação judicial, elaborado em 2016. A maior empreiteira brasileira, a Odebrecht teve dificuldades para conseguir financiamentos necessários para tocar a empresa, o que só foi obtido em maio.

Somente a Odebrecht, que assinou na semana passada um acordo de leniência com as autoridades, viu o seu faturamento despencar de de R$ 57,9 bilhões, em 2015, para R$ 11 bilhões em 2017. Segundo o presidente da construtora, Fabio Januário, até 2020 a empresa planeja disputar projetos da ordem de US$ 490 bilhões, 70% deles localizados no exterior. Dos 200 mil demitidos pelas seis maiores empreiteiras desde 2015, a Odebrecht desligou cerca de metade deste pessoal.

PUBLICIDADE

 

PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

PUBLICIDADE

Cortes 247

PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email