Crescimento na China fica abaixo do esperado

O crescimento do setor de serviços da China atingiu mínima de quatro meses em dezembro uma vez que as expectativas de negócios caíram, mostrou pesquisa do governo, ampliando as evidências de que a segunda maior economia do mundo perdeu força no final de 2013

O crescimento do setor de serviços da China atingiu mínima de quatro meses em dezembro uma vez que as expectativas de negócios caíram, mostrou pesquisa do governo, ampliando as evidências de que a segunda maior economia do mundo perdeu força no final de 2013
O crescimento do setor de serviços da China atingiu mínima de quatro meses em dezembro uma vez que as expectativas de negócios caíram, mostrou pesquisa do governo, ampliando as evidências de que a segunda maior economia do mundo perdeu força no final de 2013 (Foto: Leonardo Attuch)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Por Koh Gui Qing e Jonathan Standing

PEQUIM, 3 Jan (Reuters) - O crescimento do setor de serviços da China atingiu mínima de quatro meses em dezembro uma vez que as expectativas de negócios caíram, mostrou pesquisa do governo, ampliando as evidências de que a segunda maior economia do mundo perdeu força no final de 2013.

O Índice de Gerentes de Compras (PMI, na sigla em inglês) oficial para o setor de serviços caiu para 54,6 em dezembro ante 56 em novembro, informou nesta sexta-feira a Agência Nacional de Estatísticas.

Embora o PMI de serviços tenha se mantido acima do nível de 50 que indica expansão, a moderação do crescimento reflete uma desaceleração na atividade industrial no quarto trimestre e a economia mais ampla, uma vez que a oferta de crédito se moderou e as empresas reconstituíram os estoques de forma mais lenta.

O PMI de serviços segue-se a dois PMIs de indústria divulgados nesta semana que mostraram desaceleração do crescimento nas fábricas chinesas em dezembro uma vez que as encomendas de exportação enfraqueceram.

A pesquisa desta sexta-feira mostrou que o subíndice de expectativas de negócios caiu para 58,7 no mês passado ante 61,3 em novembro, pressionado pelos setores imobiliário e de transporte de água, onde as empresas esperam contração da atividade.

(Reportagem de Koh Gui Qing e Jonathan Standing)

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247