Davos se esvazia, e Bolsonaro fala a investidor 'desconfiado'

A imprensa internacional destacou que Jair Bolsonaro irá falar para investidores desconfiados no Fórum de Davos; Santander, UBS e outros, afirmam que os investidores externos "estão buscando mais do que retórica de animação"; além disso, economistas de XP, UBS e BlueBay, que lembram que "os investidores estrangeiros têm uma visão menos emocional sobre Bolsonaro"; o esquema de movimentações financeiras escusas envolvendo o clã também já é ressaltado na imprensa internacional 

Davos se esvazia, e Bolsonaro fala a investidor 'desconfiado'
Davos se esvazia, e Bolsonaro fala a investidor 'desconfiado' (Foto: REUTERS/Adriano Machado)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - Com o título "Previsão sombria para Davos: Crises em abundância, mas poucos líderes mundiais", a Reuters destacou, por New York Times e outros, que os mandatários americano, francês, britânico, chinês, russo e indiano não vão. A informação do colunista Nelson de Sá, no jornal Folha de S.Paulo. 

E que os conflitos comerciais "e uma desaceleração que poderia empurrar a economia mundial para a recessão devem dominar o encontro".

No 18º parágrafo, anota que "o baixo comparecimento dos líderes pode dar mais proeminência a personalidades que de outra maneira seriam ofuscadas", caso de Jair Bolsonaro.

A mesma Reuters despachou dias antes que "Estrangeiros ficam à margem da festa do mercado do Brasil". Em suma, "dados da bolsa mostram êxodo persistente de capital no início do governo", em contraste com "fundos locais, que são os atores por trás da alta".

Ouvindo economistas de Santander, UBS e outros, afirma que os investidores externos "estão buscando mais do que retórica de animação".

O Financial Times foi por aí, destacando que Bolsonaro encontrará "desconfiados" em Davos. Cita, de estrategista do Bank of America Merrill Lynch: "Não estamos vendo influxo de estrangeiros. A história [da alta da bolsa] é baseada na compra por brasileiros".

Ouve economistas de XP, UBS e BlueBay, que lembram, na expressão do primeiro, que "os investidores estrangeiros têm uma visão menos emocional sobre Bolsonaro".

Nos EUA, o agregador Drudge Report deu foto e a chamada "Bolsonaro faz início com tropeções como presidente...", listando o vaivém, a começar da base militar americana.

E a Associated Press, por Washington Post e outros, despachou que "Bolsonaros enfrentam questionamentos por investigação de corrupção", citando filho, mulher e o próprio. Questiona se a "lua de mel com Bolsonaro" já acabou.

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247