Delfim: é hora de pôr de lado picuinhas políticas

Ex-ministro da Fazenda diz que nível do contingenciamento anunciado pelo governo deve satisfazer, pelo menos por algum tempo, as agências de rating; no entanto, fala dos riscos que o “desarranjo visível nas relações entre a presidente e sua base parlamentar” podem representar para a economia: “o país precisa de uma relação harmônica entre os três Poderes da República”

Ex-ministro da Fazenda diz que nível do contingenciamento anunciado pelo governo deve satisfazer, pelo menos por algum tempo, as agências de rating; no entanto, fala dos riscos que o “desarranjo visível nas relações entre a presidente e sua base parlamentar” podem representar para a economia: “o país precisa de uma relação harmônica entre os três Poderes da República”
Ex-ministro da Fazenda diz que nível do contingenciamento anunciado pelo governo deve satisfazer, pelo menos por algum tempo, as agências de rating; no entanto, fala dos riscos que o “desarranjo visível nas relações entre a presidente e sua base parlamentar” podem representar para a economia: “o país precisa de uma relação harmônica entre os três Poderes da República” (Foto: Roberta Namour)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 – Para o ex-ministro da Fazenda Antonio Delfim Netto, chegou a hora de “pôr de lado picuinhas políticas e pensar no Brasil.

O economista diz que o mercado reagiu de maneira amigável à proposição do governo de procurar realizar em 2014 um superávit primário de 1,9% considerando-a uma "boa carta de intenção". Ele afirma que o nível do contingenciamento deve satisfazer, pelo menos por algum tempo, as agências de rating.

No entanto, ressalta que o “desarranjo visível nas relações entre a presidente e sua base parlamentar” ameaça o pacto fiscal assinado no fim do ano passado. Segundo ele, diante do cenário pouco confortável da economia, o país precisa de uma relação harmônica entre os três Poderes da República (leia aqui artigo publicado no Valor).

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email