Delfim: IDH tenta medir "fenômeno metafísico"

E para tal, o famoso Índice de Desenvolvimento Humano (IDH), publicado anualmente pela ONU, faz por meio de um indicador imaginoso que varia de 0 a 1, diz o ex-ministro, em relação à qualidade de vida de um país; crítica sobre o uso de números defasados é "obviamente pertinente", afirma

Delfim: IDH tenta medir "fenômeno metafísico"
Delfim: IDH tenta medir "fenômeno metafísico" (Foto: 
Foto: Silvia Costanti / Valor)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - O ex-ministro da Fazenda e economista Antonio Delfim Netto integra o coro de críticas ao Índice de Desenvolvimento Humano (IDH), que neste ano colocou o Brasil em 85º lugar - o mesmo do ano passado. Delfim diz que os ataques ao fato de que o relatório da ONU se utiliza de números defasados são "obviamente pertinentes" e, antecipando-os, o Pnud faz uma simulação irrelevante: considera os números atualizados do País. Porém, sem considerar que outras nações também evoluíram.

Leia abaixo artigo publicado na Folha de S.Paulo:

IDH 

O famoso Índice de Desenvolvimento Humano (IDH), publicado anualmente pela ONU, tenta medir um fenômeno metafísico: a "qualidade de vida" de cada país em relação a todos os outros. E o faz por meio de um indicador imaginoso que varia de 0 a 1, mas manipula apenas três indicadores: nível de renda, educação e saúde.

O problema é que o IDH incorpora indicadores defasados para poder comparar a situação dos países (hoje, 187) com a plena disponibilidade dos elementos estatísticos necessários. Isso prejudicaria o Brasil, porque a qualidade e a disponibilidade de nossos dados são melhores. É o caso, por exemplo, dos números da educação: para "uniformizar" os dados dos 187 países, o IDH foi construído com os números de 2005, o que deixa de medir os substanciais progressos que vimos obtendo desde então.

No relatório, ocupamos o 85º lugar, o mesmo do ano anterior, com IDH de 0,730. A Noruega ocupa o 1º, com o índice de 0,955. A crítica é obviamente pertinente. É reconhecida, aliás, no próprio relatório "Ascensão do Sul - Progresso Humano em um Mundo Diverso", produzido pelo Pnud (Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento), que se desdobra em cuidados e elogios à política social do governo do Brasil (citado mais de uma centena de vezes).

Antecipando-a, o relatório faz uma simulação irrelevante: qual seria nossa posição se tivesse utilizado os números mais recentes da educação? O IDH seria de 0,754 e o país passaria ao 69º posto no indicador. Mas essa é uma hipótese absurda: supõe que os outros 186 países não tivessem feito progressos desde 2005.

A realidade é que o Índice de Bem-Estar Social, imaginado pelo economista e filósofo Amartya Sen, visto abaixo, mostra que melhoramos. O IDH apenas sugere que os outros também melhoram...

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email