Depois de liderar o golpe, Aécio quer mandar na Vale

Um dos principais líderes da deposição de Dilma Rousseff, o senador Aécio Neves (PSDB-MG) tenta agora um segundo golpe, dessa vez, na presidência da Vale; o presidente nacional do PSDB tem atuado nos bastidores para indicar o sucessor de Murilo Ferreira no comando da Vale. Ele pressiona o Palácio do Planalto pelo cargo, que fica em aberto daqui a três meses, quando termina o mandato do executivo; a ofensiva do tucano desperta grande incômodo nos sócios privados da mineradora, que já admitem o que era impensável alguns meses atrás: a permanência de Ferreira por mais dois anos

Um dos principais líderes da deposição de Dilma Rousseff, o senador Aécio Neves (PSDB-MG) tenta agora um segundo golpe, dessa vez, na presidência da Vale; o presidente nacional do PSDB tem atuado nos bastidores para indicar o sucessor de Murilo Ferreira no comando da Vale. Ele pressiona o Palácio do Planalto pelo cargo, que fica em aberto daqui a três meses, quando termina o mandato do executivo; a ofensiva do tucano desperta grande incômodo nos sócios privados da mineradora, que já admitem o que era impensável alguns meses atrás: a permanência de Ferreira por mais dois anos
Um dos principais líderes da deposição de Dilma Rousseff, o senador Aécio Neves (PSDB-MG) tenta agora um segundo golpe, dessa vez, na presidência da Vale; o presidente nacional do PSDB tem atuado nos bastidores para indicar o sucessor de Murilo Ferreira no comando da Vale. Ele pressiona o Palácio do Planalto pelo cargo, que fica em aberto daqui a três meses, quando termina o mandato do executivo; a ofensiva do tucano desperta grande incômodo nos sócios privados da mineradora, que já admitem o que era impensável alguns meses atrás: a permanência de Ferreira por mais dois anos (Foto: Giuliana Miranda)

247 - Um dos principais líderes da deposição de Dilma Rousseff, o senador Aécio Neves (PSDB-MG) tenta agora um segundo golpe, dessa vez, na presidência da Vale. O presidente nacional do PSDB tem atuado nos bastidores para indicar o sucessor de Murilo Ferreira no comando da Vale. Ele pressiona o Palácio do Planalto pelo cargo, que fica em aberto daqui a três meses, quando termina o mandato do executivo. A ofensiva do tucano desperta grande incômodo nos sócios privados da mineradora, que já admitem o que era impensável alguns meses atrás: a permanência de Ferreira por mais dois anos.

As informações são de reportagem do Valor.

"A Vale já havia se tornado objeto de desejo do PMDB de Minas Gerais. O vice-governador do Estado, Antônio Andrade, faz parte do grupo que foi ao Planalto no início do governo Michel Temer com o pedido de colocar um aliado na presidência da companhia.

No entanto, segundo fontes do governo e da iniciativa privada com trânsito na Vale, a pressão de Aécio cresceu nas últimas semanas. O senador tucano foi advertido por auxiliares de Temer, em tom bem humorado, de que a cobiça por cargos na Esplanada dos Ministérios e em empresas com participação acionária da União estaria transformando o PSDB no "partido da boquinha".

A expressão foi cunhada pelo ex-governador do Rio Anthony Garotinho, em referência à fome do PT por indicações partidárias.

Interlocutores de Aécio afirmam reservadamente que, embora ele esteja batalhando para influenciar na sucessão de Ferreira, descarta a possibilidade de emplacar um político e se serviria de pessoas do mercado para a Vale. Mas executivos antes vistos como potenciais sucessores, como José Carlos Martins e Tito Martins, desabaram recentemente na cotação. Ambos foram diretores da mineradora. José Carlos atua hoje como conselheiro da NovaAgri; Tito preside atualmente a Votorantim Metais."

Conheça a TV 247

Mais de Economia

Ao vivo na TV 247 Youtube 247