Dia das Mães foi um fiasco e setor de serviços desaba: economia marcha para estagnação

Ao contrário dos governos do PT, que priorizaram o crescimento, os cortes e a estagnação econômica parecem ser as marcas do governo Jair Bolsonaro; após o BC admitir que existe uma "probabilidade relevante" do PIB ter encolhido no primeiro trimestre, evidenciando o risco de uma recessão técnica, a queda de 5% no valor das vendas do Dia das Mães, segunda principal data do varejo, confirma a paralisia que se soma a uma retração acumulada de 1,7% pelo setor de serviços nos três primeiros meses do ano

Dia das Mães foi um fiasco e setor de serviços desaba: economia marcha para estagnação
Dia das Mães foi um fiasco e setor de serviços desaba: economia marcha para estagnação (Foto: Reuters | Reprodução)

247- Após o Banco Central admitir que existe uma "probabilidade relevante" da economia ter encolhido no primeiro trimestre, o que poderá colocar o país oficialmente na situação de uma recessão técnica (leia no Brasil 247), a queda de% no valor das vendas do Dia das Mães, segunda principal data do comércio varejista, aponta para um quadro de estagnação econômica resultante de uma falta de política que alavanque o ritmo da economia. Além deste fiasco para o varejo, o setor de serviços também encolheu 0,7%em março, na terceira queda consecutiva, acumulando uma retração de 1,7% nos três primeiros meses do ano.

Segundo a Associação Brasileira de Lojistas de Shopping (Alshop), os consumidores gastaram 5% menos que no mesmo período do ano passado, evitando fazer dívidas em carnês ou no cartão de crédito, apesar do aumento de 4% na vendas, ante a o Dia das Mães do ano passado. O ticket médio de um ano para o outro encolheu cerca de 10%. "Aquelas pessoas que já conseguiram melhorar o seu nível de endividamento não querem assumir novos riscos, logo, na compra de algum presente, procuraram aliar à sua disponibilidade de gasto menor", disse o diretor institucional da Alshop, Luís Augusto Ildefonso da Silva ao portal G1

A tendência de retração também se estende a outros setores da economia. Segundo o IBGE, o volume do setor de serviços vem encolhendo desde o início do governo Jair Bolsonaro. A queda de 0,7% em março, elevou para 1,7% a retração acumulada do setor ao longo do primeiro trimestre. Na comparação com março de 2018, o tombo chegou a 2,3%.

Além disso, a receita nominal do setor de serviços caiu 0,6% na passagem de fevereiro para março, apesar de registrar alta de 1,1% na comparação sobre o mesmo mês do ano passado.

 

Conheça a TV 247

Mais de Economia

Ao vivo na TV 247 Youtube 247