Dólar supera R$5,20 após renovar pico em 20 anos no exterior

Mercado avalia comportamento do dólar como continuação da tendência recente de apreciação, sustentada por temores de que o banco central dos EUA intensificará seu aperto monetário

www.brasil247.com -
(Foto: REUTERS/Jo Yong-Hak)


Reuters - O dólar subia na manhã desta quinta-feira e chegou a superar os 5,20 reais nos picos do dia, acompanhando o movimento do mercado de câmbio internacional depois que seu índice contra uma cesta de pares fortes renovou máxima em duas décadas em meio à forte demanda por segurança no exterior.

Às 10:32 (de Brasília), o dólar à vista avançava 0,54%, a 5,1735 reais na venda, depois de mais cedo chegar a saltar 1,27%, a 5,2110 reais. Caso mantivesse esse patamar até o fim dos negócios, a moeda teria registrado uma máxima para encerramento desde 14 de fevereiro passado (5,2195).

Na B3, às 10:32 (de Brasília), o contrato de dólar futuro de primeiro vencimento subia 0,59%, a 5,2030 reais.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

A valorização acompanhava o índice do dólar contra seus rivais de países ricos, que chegou a tocar um novo pico desde dezembro de 2002 nesta manhã, de 104,54, embora tenha reduzido ligeiramente os ganhos no dia após dados mostrarem uma desaceleração na inflação ao produtor norte-americano em abril.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Às 10:32 (de Brasília), o índice do dólar subia 0,45%, a 104,490. A moeda dos Estados Unidos também avançava contra divisas de países emergentes ou sensíveis às commodities, como peso mexicano (+0,4%), peso chileno (+0,8%), rand sul-africano (+0,7%) e dólar australiano (+0,9%).

Participantes do mercado, no geral, avaliavam o comportamento do dólar nesta quinta-feira como uma continuação da tendência recente de apreciação, que tem sido sustentada por temores de que o banco central dos Estados Unidos intensificará seu aperto monetário num contexto delicado para a economia global. O Federal Reserve elevou os custos dos empréstimos em 0,5 ponto percentual neste mês, na maior dose em 22 anos, diante da inflação crescente.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

"Em meio à perspectiva de elevação mais agressiva dos juros nos EUA e temores de uma forte desaceleração econômica na China, causada pela política zero-Covid, os mercados internacionais vêm adotando um viés negativo, que acabou se intensificando no mês de maio", explicaram em nota analistas da XP. "As bolsas globais vêm sofrendo em meio a esse sentimento de cautela, que, em contrapartida, beneficiou a moeda americana e auxiliou sua valorização em relação às demais moedas."

No mercado acionário dos EUA, por exemplo, o índice Nasdaq, de forte peso de papéis de tecnologia, acumula perda de mais de 27% em 2022. As vendas em Wall Street têm afetado o Ibovespa, que já devolveu todos os ganhos que havia registrado no primeiro trimestre deste ano.

O real, por sua vez, ainda acumula alguns ganhos frente à moeda norte-americana em 2022, com o dólar cedendo mais de 7% em relação ao fechamento do ano passado. Mesmo assim, a divisa dos EUA já se recuperou mais de 12% em relação à mínima deste ano, de 4,6075 reais, atingida no início de abril.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

"O movimento de reversão de tendência que a gente viu no mercado a partir de abril --depois de um primeiro trimestre bastante positivo para o real--, dada a velocidade com que aconteceu, reforça a visão de que a apreciação do real no começo do ano estava calcada em fluxos de natureza especulativa, que poderiam sair do país a qualquer momento", disse à Reuters Luciano Rostagno, estrategista-chefe do Banco Mizuho.

Ele também acredita que o salto expressivo do real nos primeiros três meses do ano --quando o dólar caiu 14,5%, seu pior trimestre desde meados de 2009-- refletia em parte o patamar bastante subvalorizado em que estava a divisa brasileira ao final de 2021. Agora que o preço do dólar já foi ajustado a níveis mais condizentes com a realidade, "não o vejo voltando para as mínimas do ano", disse Rostagno, citando o ambiente de cautela internacional.

Ele espera que a moeda norte-americana oscile numa faixa entre 5 e 5,50 reais daqui até o final do ano. O teto de sua previsão não deve ser superado devido ao apoio que a Selic alta, atualmente em 12,75%, tende a oferecer para a divisa doméstica ao elevar a atratividade do mercado de renda fixa.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

A moeda norte-americana negociada no mercado interbancário fechou a última sessão em alta de 0,22%, a 5,1455 reais na venda.

Assine o 247, apoie por Pix, inscreva-se na TV 247, no canal Cortes 247 e assista:

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email