Embargo saudita a frango brasileiro é 'aviso' a Bolsonaro, diz especialista

Para Danny Zahredinne, professor da PUC-MG e especialista em Oriente Médio, a decisão saudita é uma "resposta natural e esperada" à postura de Bolsonaro em relação à capital de Israel; o presidente pretende seguir os passos dos Estados Unidos e transferir a embaixada brasileira em Israel para Jerusalém, cidade que árabes e judeus reclamam como sua capital

Embargo saudita a frango brasileiro é 'aviso' a Bolsonaro, diz especialista
Embargo saudita a frango brasileiro é 'aviso' a Bolsonaro, diz especialista

Sputnik - Maior destino das exportações de frango, a Arábia Saudita barrou a compra 5 frigoríficos brasileiros. Critérios técnicos são apontados como o motivo, mas o episódio envolve a política externa de Jair Bolsonaro (PSL). A Sputnik Brasil entrevistou Danny Zahredinne, professor da PUC-MG e especialista em Oriente Médio, para entender o episódio.

Para ele, a decisão saudita é uma "resposta natural e esperada" à postura de Bolsonaro em relação à capital de Israel. O presidente pretende seguir os passos dos Estados Unidos e transferir a embaixada brasileira em Israel para Jerusalém, cidade que árabes e judeus reclamam como sua capital.

Antes da posse como presidente de Bolsonaro, o primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, encontrou-se com o político do PSL no Rio de Janeiro. Na ocasião, Netanyahu disse que a mudança era apenas uma questão de data.

Zahredinne diz que a postura de Bolsonaro em relação a Jerusalém "beira o absurdo" e "com certeza" trará impactos no relacionamento com o Oriente Médio.

"Como Bolsonaro, antes mesmo de assumir, promete a um primeiro-ministro que vai mudar uma capital que é garantida a palestinos e israelenses pelo direito internacional? Como isso não vai repercutir negativamente? A política internacional é muito realista, muito dura. O jogo é jogado de uma maneira que principiantes não se saem bem."

Em 2018, a Arábia Saudita comprou US$ 809 milhões em frango brasileiro — o maior mercado do Oriente Médio.

Apesar da Associação Brasileira de Proteína Animal ter publicado uma nota em que diz a ação foi tomada por "critérios técnicos", o caráter político da decisão saudita foi confirmado pelo ex-secretário-geral da Liga Árabe. Em entrevista ao Valor, Amre Moussa disse a transferência da embaixada em Israel "fere a imagem internacional do Brasil" e que o governo brasileiro não deveria "alienar" 300 milhões de pessoas.

"O povo árabe é um amigo natural do Brasil. Não percam a amizade do povo árabe", disse Moussa ao Valor.

Para o professor da PUC-MG entrevistado pela Sputnik Brasil, o verniz técnico foi utilizado para justificar a medida por uma questão de diplomacia — e tem o objetivo de fazer Brasília repensar sua postura e atuar como espécie de "aviso". Ele ressalta que a medida saudita pode ser seguida por países do próximos a Riad, como Bahrein, Emirados Árabes Unidos, Bahrein e Egito.

Conheça a TV 247

Ao vivo na TV 247 Youtube 247