Enquanto valor da cesta básica de pobres aumenta, preço diminui para famílias ricas

Enquanto os preços de alimentos da cesta básica das famílias mais pobres aumentam, com uma inflação de cerca de 1,53% nos oitos primeiros meses do ano, o preço da cesta das famílias mais ricas teve deflação de 0,07%, segundo o Ipea

Mulher faz compras em supermercado de São Paulo
Mulher faz compras em supermercado de São Paulo (Foto: REUTERS/Paulo Whitaker)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - Enquanto os preços de alimentos da cesta básica das famílias mais pobres aumentam, com uma inflação de cerca de 1,53% nos oitos primeiros meses do ano, o preço da cesta das famílias mais ricas teve deflação de 0,07%, segundo o Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), que relaciona o fato com a queda nos preços dos serviços.

“Evidencia-se uma pressão altista vinda dos alimentos no domicílio -que formam o grupo de maior peso na cesta de consumo das famílias mais pobres- e uma queda nos preços dos serviços, cujo alívio é bem mais intenso sobre o orçamento das famílias mais ricas”, diz a instituição no relatório “Inflação por faixa de renda – Agosto/2020”.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como:

• Cartão de crédito na plataforma Vindi: acesse este link

• Boleto ou transferência bancária: enviar email para [email protected]

• Seja membro no Youtube: acesse este link

• Transferência pelo Paypal: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Patreon: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Catarse: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Apoia-se: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Vakinha: acesse este link

Inscreva-se também na TV 247, siga-nos no Twitter, no Facebook e no Instagram. Conheça também nossa livraria, receba a nossa newsletter e ative o sininho vermelho para as notificações.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247