Europa pode punir Brasil por destruição do meio ambiente

A Comissão de Comércio Internacional do Parlamento Europeu aprovou moção que pede para a União Europeia impor mais exigências de proteção ao meio ambiente em suas importações – e o alvo é o Brasil de Bolsonaro e Mourão

Hamilton Mourão e Jair Bolsonaro; vista aérea de área desmatada da Amazônia em Itaituba, no Pará
Hamilton Mourão e Jair Bolsonaro; vista aérea de área desmatada da Amazônia em Itaituba, no Pará (Foto: REUTERS/Ueslei Marcelino | REUTERS/Ricardo Moraes)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Sputnik – Uma moção do Parlamento Europeu pedindo que a União Europeia seja mais rigorosa em questões ambientais em suas importações tem o Brasil como "alvo preferencial", disse especialista à Sputnik Brasil.

Na quarta-feira (9), a Comissão de Comércio Internacional do Parlamento Europeu aprovou moção que pede para a União Europeia impor mais exigências de proteção ao meio ambiente em suas importações e na hora de fechar acordos comerciais. 

A comissão recomenda "que todos os novos acordos comerciais ou de investimento e as atualizações dos já existentes incluam disposições ambientais e climáticas mais ambiciosas em relação à conservação e à gestão sustentável das florestas, incluindo proteção dos povos indígenas e direitos das comunidades locais".

Além disso, a moção diz que a União Europeia (UE) é um importador significativo de "commodities com risco ambiental e florestal", por isso deve garantir que sua demanda e investimentos sigam política de economia responsável, "sem estimular desmatamento nem violações dos direitos humanos". 

'Forte efeito político'

Para Leonardo Trevisan, professor de Relações Internacionais da ESPM/SP (Escola Superior de Propaganda e Marketing de São Paulo), apesar de a moção ser apenas uma recomendação, sem efeitos de lei, ela pode causar prejuízos econômicos e políticos para o Brasil. 

"Infelizmente, tudo indica que o Brasil é o alvo preferencial dessa recomendação, que não é uma ação concreta e decisiva do Parlamento, mas tem um forte efeito político, por incluir um pedido para que a questão dos acordos comerciais contenha uma auditoria de sustentabilidade", afirmou o especialista em história das relações internacionais e em geoeconomia internacional.

Em razão disso, a moção pode ser mais um fator complicador para a concretização do acordo comercial entre o Mercosul e a União Europeia. Diante dos altos índices de desmatamento e queimadas na Amazônia, alguns países da Europa sinalizaram que podem não ratificar o acordo. 

"Não é possível esquecer que no dia 21 de agosto, [Angela] Merkel foi muito clara em avisar que tinha sérias dúvidas de que o acordo poderia ser efetivamente promulgado como planejado, logo depois que o mundo ficou sabendo que os incêndios florestais no Brasil em junho eram 28% maiores na comparação com julho de 2019", ponderou o especialista. 

Atenção da centro-direita às questões ambientais

Segundo Trevisan, líderes europeus de centro-direita, como a chanceler da Alemanha e o presidente francês, Emmanuel Macron, estão bastante atentos às pautas dos parlamentares verdes no continente. 

"Essa moção é produto de uma espécie de atenção especial da centro-direita europeia às questões ambientais. A centro-direita só consegue ter o controle do Parlamento Europeu porque tem o apoio dos verdes, como as últimas eleições provaram. Os verdes são 16% do Parlamento", explicou. 

Além disso, ele diz que a medida poderia até mesmo, por seu "efeito simbólico", afetar as exportações de produtos agrícolas. 

"Não há dúvida alguma de que essa moção, com todo seu efeito simbólico, pode afetar sim as nossas exportações, agrícolas principalmente. O alerta é forte para o Brasil, porque de algum modo a Europa está bastante preocupada em qual será o perfil de crescimento dela na pós-pandemia", afirmou o professor. 

Brasil deve prestar atenção à Europa

Segundo o especialista, o governo brasileiro deve prestar muita atenção à questão ambiental e à União Europeia, que se tornou o segundo maior parceiro comercial do Brasil, com forte queda das vendas, em razão da pandemia do coronavírus, para os Estados Unidos, "apesar de todas as aproximações de nossa política externa" a Washington. 

“Não há dúvida alguma, que se nós não quisermos ficar muito dependentes do mercado chinês, da demanda chinesa, com todo o preço político que isso vai implicar para o Brasil, nós temos que prestar atenção também aos movimentos do nosso segundo parceiro comercial", avaliou Trevisan.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como:

• Cartão de crédito na plataforma Vindi: acesse este link

• Boleto ou transferência bancária: enviar email para [email protected]

• Seja membro no Youtube: acesse este link

• Transferência pelo Paypal: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Patreon: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Catarse: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Apoia-se: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Vakinha: acesse este link

Inscreva-se também na TV 247, siga-nos no Twitter, no Facebook e no Instagram. Conheça também nossa livraria, receba a nossa newsletter e ative o sininho vermelho para as notificações.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247