Golpe continua arrasando o País: 40 mil demissões

Brasil pós golpe, comandado por Michel Temer e Henrique Meirelles na economia, fechou 40.864 vagas formais de trabalho em janeiro, 22º mês de queda, apontam dados do Caged (Cadastro Geral de Empregados e Desempregados) divulgados pelo Ministério do Trabalho e da Previdência Social nesta sexta-feira 3

Brasil pós golpe, comandado por Michel Temer e Henrique Meirelles na economia, fechou 40.864 vagas formais de trabalho em janeiro, 22º mês de queda, apontam dados do Caged (Cadastro Geral de Empregados e Desempregados) divulgados pelo Ministério do Trabalho e da Previdência Social nesta sexta-feira 3
Brasil pós golpe, comandado por Michel Temer e Henrique Meirelles na economia, fechou 40.864 vagas formais de trabalho em janeiro, 22º mês de queda, apontam dados do Caged (Cadastro Geral de Empregados e Desempregados) divulgados pelo Ministério do Trabalho e da Previdência Social nesta sexta-feira 3 (Foto: Gisele Federicce)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

BRASÍLIA (Reuters) - O Brasil registrou perda líquida de 40.864 vagas formais de emprego em janeiro, segundo o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) divulgado pelo Ministério do Trabalho nesta sexta-feira, acima do esperado pelo mercado, mas na melhor performance para o mês em três anos.

Em pesquisa Reuters, a estimativa era de que 36 mil vagas com carteira assinada seriam fechadas em janeiro, conforme mediana das expectativas.

Apesar de negativo, o resultado foi o melhor para o mês de janeiro desde 2014, quando foram criadas 29.595 vagas de trabalho.

No primeiro mês do ano, as demissões superaram a criação de vagas principalmente no comércio (-60.075 postos) e no setor de serviços (-9.525 postos).

Em contrapartida, houve criação líquida de postos especialmente na indústria de transformação (+17.501 vagas) e na agropecuária (+10.663).

A taxa de desemprego no Brasil subiu a 12,6 por cento no trimestre encerrado em janeiro em razão do aumento da procura diante do cenário de recessão, com quase 13 milhões de pessoas sem emprego no país, divulgou o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) na semana passada.

O presidente Michel Temer tem destacado o desemprego como sua maior preocupação e já admitiu que a retomada das contratações pode demorar, já que, mesmo com a esperada recuperação da economia, as empresas têm capacidade ociosa a preencher antes de retomarem contratações.

No ano passado, o Brasil fechou 1,32 milhão de postos de trabalho, sob os efeitos da forte recessão econômica, e registrou o segundo pior resultado da série histórica iniciada em 1992.

(Por César Raizer, edição de Marcela Ayres)

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247