J&F coloca empresas à venda e quer arrecadar R$ 8 bilhões

O grupo J&F, controlado pelos irmãos Wesley e Joesley Batista, quer vender empresas que somam R$ 8 bilhões. Dois ativos já estão em processo de venda: A Vigor Alimentos, e as linhas de transmissão de energia; além disso, a holding analisa vender a Eldorado, empresa de celulose, a Alpargatas, dona das marcas Havaianas e Osklen, e a Flora, de produtos de limpeza; informação consta de relatório da agência de classificação de risco, Standard & Poor's, que atribuiu as notícias sobre a venda de ativos à administração da empresa

Joesley Batista
Joesley Batista (Foto: José Barbacena)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - O grupo J&F, controlado pelos irmãos Wesley e Joesley Batista, quer vender empresas que somam R$ 8 bilhões. Dois ativos já estão em processo de venda: A Vigor Alimentos, e as linhas de transmissão de energia. Além disso, a holding analisa vender a Eldorado, empresa de celulose, a Alpargatas, dona das marcas Havaianas e Osklen, e a Flora, de produtos de limpeza.

A informação consta de relatório da agência de classificação de risco, Standard & Poor's, que atribuiu as notícias sobre a venda de ativos à administração da empresa. Segundo análise da agência, a capacidade de pagar suas dívidas está vinculada à venda de ativos.

"Portanto, sua trajetória de rating de curto prazo estará atrelada ao ritmo e à dimensão das futuras vendas de ativos", destaca a S&P em comunicado, que informa que assim que essas vendas ocorrerem, o perfil de crédito da J&F será reavaliado.

Para a agência, as investigações de corrupção na empresa trazem riscos à flexibilidade financeira do grupo e ao seu refinanciamento no mercado. Além disso, a assinatura de um acordo de leniência J&F, com multa no valor de R$ 10,3 bilhões, ampliou a dívida ajustada da empresa, que consiste atualmente de R$ 4,2 bilhões de dívida própria e cerca de R$ 7 bilhões de garantias fornecidas a subsidiárias, principalmente à Eldorado.

"Embora esse acordo atenue as preocupações com relação à continuidade dos negócios do grupo, ele mais do que duplicou a dívida ajustada da J&F", diz a S&P.

Para a agência, as investigações de corrupção também destacam a inabilidade do grupo para implementar controles internos e de tolerância ao risco, indicando uma deficiência de governança que pesa sobre seu perfil de risco.

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247