Japoneses fazem apelo pela indústria naval

Em reunião com a presidente Dilma Rousseff nesta quinta-feira, em Brasília, executivos da IHI, Kawasaki e Mitsubishi, buscam perspectivas da indústria naval e esperam a garantia de que a Petrobras vá assegurar a demanda por sondas inicialmente encomendada à Sete Brasil; eles investiram mais de R$ 1 bilhão em três estaleiros no país - EAS, Enseada e Rio Grande – e se mostram preocupados com a crise gerada pela operação Lava Jato

Em reunião com a presidente Dilma Rousseff nesta quinta-feira, em Brasília, executivos da IHI, Kawasaki e Mitsubishi, buscam perspectivas da indústria naval e esperam a garantia de que a Petrobras vá assegurar a demanda por sondas inicialmente encomendada à Sete Brasil; eles investiram mais de R$ 1 bilhão em três estaleiros no país - EAS, Enseada e Rio Grande – e se mostram preocupados com a crise gerada pela operação Lava Jato
Em reunião com a presidente Dilma Rousseff nesta quinta-feira, em Brasília, executivos da IHI, Kawasaki e Mitsubishi, buscam perspectivas da indústria naval e esperam a garantia de que a Petrobras vá assegurar a demanda por sondas inicialmente encomendada à Sete Brasil; eles investiram mais de R$ 1 bilhão em três estaleiros no país - EAS, Enseada e Rio Grande – e se mostram preocupados com a crise gerada pela operação Lava Jato (Foto: Roberta Namour)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - Executivos da IHI, Kawasaki e Mitsubishi, que investiram mais de R$ 1 bilhão em três estaleiros no país - EAS, Enseada e Rio Grande – se mostram preocupados com seus negócios em função da crise gerada pela operação Lava Jato.

Em reunião com a presidente Dilma Rousseff nesta quinta-feira, em Brasília, eles buscam perspectivas da indústria naval e esperam a garantia de que a Petrobras vá assegurar a demanda por sondas e que a Sete Brasil irá honrar suas dívidas.

A empresa Sete Brasil, principal fornecedora da Petrobras na exploração do pré-sal, encaminhou a seus credores proposta de mudança completa no perfil da companhia. O plano custará R$ 1,2 bilhão aos sócios da companhia, que hoje deve R$ 12 bilhões R$ 12 bilhões com bancos nacionais e estrangeiros.

O EAS notificou a Sete Brasil que tem US$ 1 bilhão a receber e espera que a pendência seja levada em conta em qualquer reorganização.

Leia aqui reportagem de Francisco Goes sobre o assunto.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como:

• Cartão de crédito na plataforma Vindi: acesse este link

• Boleto ou transferência bancária: enviar email para [email protected]

• Seja membro no Youtube: acesse este link

• Transferência pelo Paypal: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Patreon: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Catarse: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Apoia-se: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Vakinha: acesse este link

Inscreva-se também na TV 247, siga-nos no Twitter, no Facebook e no Instagram. Conheça também nossa livraria, receba a nossa newsletter e ative o sininho vermelho para as notificações.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247