Justiça da Venezuela congela bens da Odebrecht

A Justiça da Venezuela anunciou o congelamento de contas bancárias e outros ativos da empreiteira Odebrecht na Venezuela; ação foi parte de uma investigação aberta após a empresa brasileira ter confessado pagamento de quase US$ 100 milhões em propinas no país; no dia anterior, os escritórios da companhia haviam sido alvo de uma operação de busca e apreensão

Sede Odebrecht
Sede Odebrecht (Foto: Giuliana Miranda)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - Autoridades congelaram, nesta quarta-feira (15), contas bancárias e outros ativos da empreiteira Odebrecht na Venezuela. A ação foi parte de uma investigação aberta após a empresa brasileira ter confessado pagamento de quase US$ 100 milhões em propinas no país. No dia anterior, os escritórios da companhia haviam sido alvo de uma operação de busca e apreensão. 

As informações são de reportagem do Estado de S.Paulo.

"Não houve detenção de funcionários hoje, mas os promotores confirmaram ter solicitado à Interpol uma ordem de captura de uma pessoa ligada às suspeitas – a identidade do procurado não foi divulgada.

O principal líder da oposição ao governo de Nicolás Maduro, o governador de Miranda, Henrique Capriles, voltou a negar hoje que tenha recebido qualquer vantagem da empreiteira – uma das principais obras sob investigação fica no Estado governado por ele.

Capriles já disse anteriormente temer que os chavistas utilizem as investigações sobre propinas da Odebrecht para tentar pressionar e incriminar opositores. 'O governo que comando, durante o período em que tenho sido governador do Estado bolivariano de Miranda, nunca em minha trajetória como servidor público, prefeito ou governador, nunca assinei qualquer contrato com a Odebrecht', afirmou, acrescentando que as investigações deveriam se concentrar no chavista Diosdado Cabello, que governou Miranda em um período anterior."

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247