No mundo real indústria corta, famílias sofrem com carestia e crianças ficam sem vacina

A situação do país é tão dramática que o mundo da economia e da vida real das pessoas começa a furar a narrativa falseada das mídias conservadoras; as manchetes desta terça dos três jornalões que promoveram o golpe de Estado em 2016 são sintomáticas; elas admitem que o golpe arruinou a economia das empresas, as contas das famílias e, ainda mais dramaticamente, está sacrificando a vida de bebês e crianças pobres

www.brasil247.com - A situação do país é tão dramática que o mundo da economia e da vida real das pessoas começa a furar a narrativa falseada das mídias conservadoras; as manchetes desta terça dos três jornalões que promoveram o golpe de Estado em 2016 são sintomáticas; elas admitem que o golpe arruinou a economia das empresas, as contas das famílias e, ainda mais dramaticamente, está sacrificando a vida de bebês e crianças pobres
A situação do país é tão dramática que o mundo da economia e da vida real das pessoas começa a furar a narrativa falseada das mídias conservadoras; as manchetes desta terça dos três jornalões que promoveram o golpe de Estado em 2016 são sintomáticas; elas admitem que o golpe arruinou a economia das empresas, as contas das famílias e, ainda mais dramaticamente, está sacrificando a vida de bebês e crianças pobres (Foto: Mauro Lopes)


247 - A situação do país é tão dramática que o mundo da economia e da vida real das pessoas começa a furar a narrativa das mídias conservadoras que inventaram um "conto de fadas" do golpe, desfeito em um verdadeiro pesadelo nacional. As manchetes desta terça dos três jornalões que promoveram o golpe de Estado em 2016 são sintomáticas. Elas admirem que o golpe arruinou a economia das empresas, as contas das famílias e, ainda mais dramaticamente, está sacrificando a vida de bebês e crianças pobres.

As manchetes a seguir. Estado de S.Paulo: "Com PIB baixo e incertezas, indústria corta investimentos". O Globo: "Energia sobe 33% contra inflação de 19%". Folha de S.Paulo: "Vacinação de bebês e crianças tem menor alcance em 16 anos" -voltando aos índices dos governo FHC (leia aqui).

A reportagem do "Estadão" faz um esforço pra culpar os caminhoneiros pelo fracasso da política econômica do golpe, mas é desmentida pelas pesquisas que ela própria divulga, pois a trava nas empresas já acontecia antes da greve. Relatam as repórteres Márcia de Chiara e Cleide Silva:

"Duas pesquisas revelam que, nas últimas semanas, os empresários ficaram receosos em prosseguir com investimentos que gerassem aumento de produção, diante de uma ociosidade entre 25% e 30% nas fábricas. Na semana passada, a Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp) cortou a projeção de investimento do setor para este ano. Em março, a expectativa, baseada na consulta a 442 empresas, era de que seria investido 1,2% mais do que em 2017. Agora, a estimativa é de queda de 0,4% ou R$ 503 milhões a menos. Com isso, o aporte total deve ser de R$ 117,3 bilhões. 'O grande problema foi a redução da projeção do PIB e a greve', afirma o presidente em exercício da Fiesp, José Ricardo Roriz Coelho. 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Outra pesquisa mostra que os empresários da indústria começaram a segurar os investimentos antes mesmo da greve. O Indicador de Intenção de Investimentos da Indústria do segundo trimestre, apurado pelo Instituto Brasileiro de Economia (Ibre) da FGV com cerca de 700 empresas em abril e maio, caiu 7,6 pontos em relação ao primeiro trimestre. O resultado é quase o mesmo do fim de 2017 e está abaixo da média registrada antes da recessão de 2014. 'É um sinal preocupante porque 95% das indústrias foram consultadas antes da greve, que adicionou mais incertezas', diz o superintendente de Estatísticas Públicas da FGV/Ibre, Aloisio Campelo Jr.. Se a apuração tivesse ocorrido na época da greve, ele acredita que o resultado seria pior." 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Leia aqui a íntegra da reportagem do Estado de S.Paulo.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

 

 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email