Paulo Guedes fala em nova rodada de auxílio emergencial para público mais reduzido

O ministro da Economia, Paulo Guedes, disse que é possível instituir um auxílio emergencial mais "focalizado", ao atender apenas metade dos 64 milhões de desempregados, informais e beneficiários do Bolsa Família

Paulo Guedes
Paulo Guedes (Foto: REUTERS/Ueslei Marcelino)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Sputnik - As idas e vindas do governo federal com o auxílio emergencial não terminaram. Ministro da Economia, Paulo Guedes disse nesta quinta-feira (4) que o governo pode conceder uma nova rodada do auxílio para 32 milhões de brasileiros, metade dos 64 milhões de desempregados e trabalhadores sem carteira assinada do país.  

De acordo com informações publicadas pelo jornal Estado de São Paulo, Guedes estimou esse novo público para a retomada do benefício depois de se reunir com o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco.  

Apesar de nenhum valor ter sido divulgado, vale lembrar que os contemplados no auxílio em 2020 receberam cinco prestações de R$ 600 e quatro de R$ 300. Mulheres chefes de família tiveram direito a duas cotas. Portanto, as cinco primeiras parcelas foram de R$ 1.200, enquanto as quatro últimas, de R$ 600. 

Ao falar em seguida, o ministro da Economia disse que é fundamental para retomar o auxílio que as "cláusulas necessárias" sejam disparadas. "Temos como orçamentar ajuda, desde que seja dentro de um novo marco fiscal, robusto o suficiente para enfrentar desequilíbrios", afirmou. 

"Se o Congresso aciona o estado de calamidade, temos condição de reagir rapidamente. Mas é muito importante que seja dentro de um quadro de recuperação das finanças. Estamos preparados para fazer as coisas dentro das proporções", disse o ministro. 

As falas de Guedes são em defesa da criação de uma "cláusula de calamidade" a ser incluída na Proposta de Emenda Constitucional (PEC) do pacto federativo. O Conselho Fiscal da República, a ser criado, poderia nesse caso suspender as limitações das atuais regras fiscais ao aumento de gastos, com o objetivo de combater os efeitos negativos da calamidade na economia. 

O conselho está previsto na PEC e seria formado pelos presidentes da República, Senado, Câmara, Supremo, entre outros.

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email