Projeto tucano encarece planos de saúde dos idosos e beneficia operadoras

Preparado pelo deputado Rogério Marinho (PSDB-RN), um relatório apresentado na Câmara dos Deputados quer reformular a lei de Planos de Saúde, prevendo o fim da proibição do reajuste de mensalidade após os 60 anos; o texto,  permite que o reajuste seja feito, passada essa faixa etária, em cinco parcelas quinquenais; texto também prevê reduzir o valor de multas pagas pelas operadoras em caso de negativa de atendimento

Idosos, velhos, velhice, aposentadoria
Cr�dito:MONALISA LINS/AG�NCIA ESTADO/AE/Codigo imagem:29880
Idosos, velhos, velhice, aposentadoria Cr�dito:MONALISA LINS/AG�NCIA ESTADO/AE/Codigo imagem:29880 (Foto: Giuliana Miranda)

247 - Relatório apresentado nesta quarta-feira, 18, na Câmara dos Deputados para reformular a lei de Planos de Saúde prevê o fim da proibição do reajuste de mensalidade após os 60 anos. O texto, preparado pelo deputado Rogério Marinho (PSDB-RN), permite que o reajuste seja feito, passada essa faixa etária, em cinco parcelas quinquenais. O texto também prevê reduzir o valor de multas pagas pelas operadoras em caso de negativa de atendimento.

O relatório, com quase 200 páginas, muda de forma significativa a lei atual, de 1998. Feito após 12 reuniões públicas, o texto agora aguarda a contribuição de deputados. Elas poderão ser feitas por meio de destaques e votos em separado.

No reajuste, para evitar abusos, a proposta estabelece que o valor da última faixa de aumento por idade seja, no máximo, seis vezes maior do que a mensalidade paga pelo grupo mais jovem. Dos 47,3 milhões de usuários de planos, 13% são idosos.

A ideia, que tem aprovação do ministro da Saúde, Ricardo Barros, é vista com cautela por especialistas de Saúde e Defesa do Consumidor. Ao Estado, Barros, afirmou ser favorável à revisão. “Não tem almoço grátis”, disse ele, na ocasião.

As informações são de reportagem de Lígia Formenti no Estado de S.Paulo.

Conheça a TV 247

Ao vivo na TV 247 Youtube 247