Rombo será muito maior e pode superar R$ 180 bi

Governo interino de Michel Temer decidiu abandonar a meta de déficit primário de R$ 163,9 bilhões para o setor público consolidado neste ano, que está prevista na Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO); assim, o déficit da União, Estados, municípios e estatais será muito maior do que o previsto até agora e poderá ultrapassar R$ 180 bilhões, segundo estimativa do Valor; rombo maior veio da decisão de Temer de não realizar novo contingenciamento das despesas orçamentárias

Brasília - O presidente interino Michel Temer apresenta as primeiras medidas econômicas para reequilibrar as contas do governo (José Cruz/Agência Brasil)
Brasília - O presidente interino Michel Temer apresenta as primeiras medidas econômicas para reequilibrar as contas do governo (José Cruz/Agência Brasil) (Foto: Roberta Namour)

247 – O governo interino de Michel Temer decidiu abandonar a meta de déficit primário de R$ 163,9 bilhões para o setor público consolidado neste ano, que está prevista na Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO).

Assim, o déficit da União, Estados, municípios e estatais será muito maior do que o previsto até agora e poderá ultrapassar R$ 180 bilhões, segundo estimativa do Valor.

O rombo maior veio da decisão de Temer de não realizar novo contingenciamento das despesas orçamentárias. O governo só saberá o tamanho do buraco depois da aprovação do projeto de lei complementar 257, que trata da renegociação das dívidas estaduais (leia aqui).

Brasil 247 lança concurso de contos sobre a quarentena do coronavírus. Participe do concurso

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247