Salário mínimo tinha que ser R$ 4.420 em julho, segundo Dieese

O salário mínimo para garantir o sustento de uma família de quatro pessoas, com dois adultos e duas crianças, deveria ser de R$ 4.420,11 em julho, segundo Dieese, que calcula a partir do que garante a Constituição

Dinheiro
Dinheiro (Foto: Pedro Augusto Pinho)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - O salário mínimo para garantir o sustento de uma família de quatro pessoas, com dois adultos e duas crianças, deveria ser de R$ 4.420,11 em julho, segundo o Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese), que faz um cálculo a partir do que garante a Constituição.

O valor indicado corresponde a mais de 4 vezes o salário mínimo vigente, de R$ 1.045. Para calcular o valor da cesta básica, um dos pontos que o salário deveria garantir, segundo a Constituição, o Dieese levou em consideração cesta básica em Curitiba, a mais cara do País, que segundo o departamento custou R$ 526,14 em julho. A mais barata é a de Aracaju, de R$ 392,75.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como:

• Cartão de crédito na plataforma Vindi: acesse este link

• Boleto ou transferência bancária: enviar email para [email protected]

• Seja membro no Youtube: acesse este link

• Transferência pelo Paypal: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Patreon: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Catarse: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Apoia-se: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Vakinha: acesse este link

Inscreva-se também na TV 247, siga-nos no Twitter, no Facebook e no Instagram. Conheça também nossa livraria, receba a nossa newsletter e ative o sininho vermelho para as notificações.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247