'Se cortar auxílio emergencial, fome poderá atingir 40 milhões no Brasil', diz José Graziano, ex-diretor da FAO

O ex-diretor geral da FAO, entre 2012 e 2019, José Graziano da Silva disse que o coronavírus agravou a situação de fome e insuficiência alimentar no Brasil e destacou que “a pandemia até agora não teve uma repercussão maior graças ao auxílio emergencial”

(Foto: Felipe L. Gonçalves/Basil247 | © Marcelo Camargo/Agência Brasil)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - O ex-diretor da Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO, na sigla em inglês - Food and Agriculture Organization) José Graziano da Silva disse, em entrevista ao portal Tutaméia, que “o Brasil tem grande parte da população em situação de insegurança alimentar”.

Ele usou como base para o argumento recentementes dados divulgados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Segundo o agrônomo, “quase quarenta por cento da população enfrenta insegurança alimentar. E os números são de antes da pandemia”. 

Desta forma, ele diz que “a pandemia não tem nada a ver com a volta do Brasil ao mapa da fome”, pois “tudo isso aconteceu antes da pandemia”, que apenas agravou a situação.

Graziano ainda destacou a importância do auxílio emergencial diante da crise de Covid-19 no Brasil: “a pandemia até agora não teve uma repercussão maior graças ao auxílio emergencial. Mas, se cortar o valor ou se cortar o auxílio definitivamente, eu temo que a gente passe dos atuais números, estimados em 15 milhões de pessoas passando fome, a uma proporção muito maior, chegar aos 40 milhões que nós enfrentamos na época do início do governo Lula, quando começou o Fome Zero.”

José Graziano é considerado o ‘pai’ do programa Fome Zero lançado no governo Lula, quando foi ministro extraordinário de Segurança Alimentar e Combate à Fome. Ele foi diretor geral da Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura (FAO) de 2012 a 2019. Confira a entrevista:

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247