Steinbruch pergunta: para quê uma recessão?

“O Brasil atravessou até agora toda a crise global, que já dura seis anos, sem que essa desventura atingisse os brasileiros. Mas, se prevalecer o pensamento conservador, infelizmente caminharemos para o desemprego e todos o sofrimento que representa”, disse o diretor-presidente da Companhia Siderúrgica Nacional, Benjamin Steinbruch

“O Brasil atravessou até agora toda a crise global, que já dura seis anos, sem que essa desventura atingisse os brasileiros. Mas, se prevalecer o pensamento conservador, infelizmente caminharemos para o desemprego e todos o sofrimento que representa”, disse o diretor-presidente da Companhia Siderúrgica Nacional, Benjamin Steinbruch
“O Brasil atravessou até agora toda a crise global, que já dura seis anos, sem que essa desventura atingisse os brasileiros. Mas, se prevalecer o pensamento conservador, infelizmente caminharemos para o desemprego e todos o sofrimento que representa”, disse o diretor-presidente da Companhia Siderúrgica Nacional, Benjamin Steinbruch (Foto: Roberta Namour)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 – Diante da onda pessimista do mercado sobre a política econômica do Brasil, o diretor-presidente da Companhia Siderúrgica Nacional, Benjamin Steinbruch, faz um alerta: austeridade pode também ser desastrosa para o país se adotada de forma indiscriminada, com reflexos nas áreas sociais, nos investimentos produtivos e no emprego.

Segundo ele, nos próximos meses, mantida a avalanche conservadora, haverá novas medidas que tenderão a desaquecer a economia ainda mais, entre elas a programada elevação do IPI para carros com motores de 1.0 a 2.0, em junho, e outras tributações.

“O Brasil atravessou até agora toda a crise global, que já dura seis anos, sem que essa desventura atingisse os brasileiros”, lembra. Mas, segundo ele, se prevalecer o pensamento conservador, caminharemos para o desemprego e todo o sofrimento que representa (leia o artigo aqui).

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email