Temer decide privatizar a Eletrobras, maior empresa do setor elétrico nacional

Depois da Cemig, cuja tentativa de privatização está suspensa pela Justiça, o governo de Michel Temer, por meio do Ministério de Minas e Energia, informou nesta segunda-feira 21 que vai propor a redução da participação da União no capital da Eletrobras, com sua consequente democratização na Bolsa de Valores, a exemplo do que já foi feito com a Embraer e a Vale; o líder do PT no Senado, Lindbergh Farias (RJ), reagiu com indignação ao anúncio: "Mais um anúncio escandaloso de um governo golpista, antinacional e corrupto. Vender a Eletrobras é crime de lesa-pátria!"; trata-se de mais uma decisão na esteira do anúncio de revisão da meta fiscal deste ano, de um rombo de R$ 159 bilhões

Depois da Cemig, cuja tentativa de privatização está suspensa pela Justiça, o governo de Michel Temer, por meio do Ministério de Minas e Energia, informou nesta segunda-feira 21 que vai propor a redução da participação da União no capital da Eletrobras, com sua consequente democratização na Bolsa de Valores, a exemplo do que já foi feito com a Embraer e a Vale; o líder do PT no Senado, Lindbergh Farias (RJ), reagiu com indignação ao anúncio: "Mais um anúncio escandaloso de um governo golpista, antinacional e corrupto. Vender a Eletrobras é crime de lesa-pátria!"; trata-se de mais uma decisão na esteira do anúncio de revisão da meta fiscal deste ano, de um rombo de R$ 159 bilhões
Depois da Cemig, cuja tentativa de privatização está suspensa pela Justiça, o governo de Michel Temer, por meio do Ministério de Minas e Energia, informou nesta segunda-feira 21 que vai propor a redução da participação da União no capital da Eletrobras, com sua consequente democratização na Bolsa de Valores, a exemplo do que já foi feito com a Embraer e a Vale; o líder do PT no Senado, Lindbergh Farias (RJ), reagiu com indignação ao anúncio: "Mais um anúncio escandaloso de um governo golpista, antinacional e corrupto. Vender a Eletrobras é crime de lesa-pátria!"; trata-se de mais uma decisão na esteira do anúncio de revisão da meta fiscal deste ano, de um rombo de R$ 159 bilhões (Foto: Charles Nisz)

247, com Agência Brasil - O Ministério de Minas e Energia afirmou nesta segunda-feira (21) que vai propor a redução da participação da União no capital da Eletrobras, com sua consequente democratização na Bolsa de Valores, a exemplo do que já foi feito com a Embraer e a Vale.

Segundo a pasta, a medida vai dar mais competitividade e agilidade à empresa para gerir suas operações, sem as amarras impostas às estatais.

"Esse movimento permitirá à Eletrobras implementar os requisitos de governança corporativa exigidos no novo mercado, equiparando todos os acionistas – públicos e privados – com total transparência em sua gestão", disse o ministério.

Segundo o MME, a decisão foi adotada após profundo diagnóstico sobre o processo em curso de recuperação da empresa. "Não há espaço para elevação de tarifas nem para aumento de encargos setoriais. Não é mais possível transferir os problemas para a população. A saída está em buscar recursos no mercado de capitais atraindo novos investidores e novos sócios". A proposta será levada ao Conselho do Programa de Parcerias de Investimentos (PPI).

O governo permanecerá como acionista, recebendo dividendos ao longo do tempo, e a União manterá poder de veto na administração da companhia, garantindo que decisões estratégicas no setor sejam preservadas.

Na avaliação do Ministério de Minas e Energia, os problemas da Eletrobras decorrem de ineficiências acumuladas nos últimos 15 anos, que "impactaram a sociedade em cerca de um quarto de trilhão de reais, concorrendo pelo uso de recursos públicos que poderiam ser investidos em segurança, educação e saúde".

O líder do PT no Senado, Lindbergh Farias (RJ), reagiu com indignação ao anúncio em sua página no Facebook: "Mais um anúncio escandaloso de um governo golpista, antinacional e corrupto. Vender a Eletrobras é crime de lesa-pátria!"

Conheça a TV 247

Ao vivo na TV 247 Youtube 247