Vice já não descarta volta da CPMF

Indicado para comandar o Ministério da Fazenda de um eventual governo de Michel Temer, o ex-presidente do Banco Central (BC) Henrique Meirelles, já admitiu que a CPMF pode ser necessária “em um curto prazo como uma questão emergencial”; o governo estimou em R$ 35 bilhões o potencial de arrecadação e diz que o imposto menos doloroso para quadro atual

Indicado para comandar o Ministério da Fazenda de um eventual governo de Michel Temer, o ex-presidente do Banco Central (BC) Henrique Meirelles, já admitiu que a CPMF pode ser necessária “em um curto prazo como uma questão emergencial”; o governo estimou em R$ 35 bilhões o potencial de arrecadação e diz que o imposto menos doloroso para quadro atual
Indicado para comandar o Ministério da Fazenda de um eventual governo de Michel Temer, o ex-presidente do Banco Central (BC) Henrique Meirelles, já admitiu que a CPMF pode ser necessária “em um curto prazo como uma questão emergencial”; o governo estimou em R$ 35 bilhões o potencial de arrecadação e diz que o imposto menos doloroso para quadro atual (Foto: Roberta Namour)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - O vice-presidente, Michel Temer, afastou a possibilidade de aumento de impostos em seu eventual governo, mas já não descarta a volta temporária da CPMF para ajustar as contas públicas. Os dados mostram um rombo de pelo menos R$ 140 bilhões – 2,3% do Produto Interno Bruto (PIB).

Indicado para comandar o Ministério da Fazenda de Temer, o ex-presidente do Banco Central (BC) Henrique Meirelles, já admitiu que a CPMF pode ser necessária “em um curto prazo como uma questão emergencial”. O governo estimou em R$ 35 bilhões o potencial de arrecadação.

A área técnica da Fazenda avalia que a CPMF é o imposto menos doloroso para quadro atual, mas que não será suficiente para garantir a estabilização das contas. O imposto que poderia render mais recursos é um aumento do PIS e da Cofins para todos os setores.

Leia aqui na reportagem de Adriana Fernandes.

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247