Jogador de futsal diz que foi abandonado por outros brasileiros em Kiev: 'fui tomar banho e, quando voltei, não tinha ninguém'

Jogadores do Shakhtar Donetsk e suas famílias pegaram um trem rumo à Romênia, após a ação militar russa na Ucrânia

www.brasil247.com - Matheus Ramires
Matheus Ramires (Foto: Reprodução/Instagram)


247 - O atleta de futsal Matheus Ramires afirmou que foi deixado para trás pelos outros atletas no mesmo hotel onde estavam em Kiev, capital da Ucrânia. Jogadores do Shakhtar Donetsk e suas famílias pegaram um trem rumo à Romênia, após a ação militar russa em território ucraniano, que teve início na última quinta-feira (24).

"Depois do almoço, a gente foi tomar um banho nos nossos quartos, porque estava mais calmo, falei com meus familiares e, quando voltei, os brasileiros do futebol já não estavam mais. Resolveram ir, e que bom que estão bem. Parece que estão no trem, estão com filhos, a gente sabe da situação deles e torce para que cheguem na divisa para que consigam entrar no país para que estão indo. Mas a gente tá aqui, continua no hotel e aguardando", revelou em entrevista à Globo News.

O esportista participou do vídeo divulgado em redes sociais pelos jogadores no qual pedem ajuda à Embaixada Brasileira para deixar a Ucrânia após o início dos conflitos. "A Embaixada manda diversas notícias a cada 10 ou 15 minutos. A gente está em um toque de recolher das 17h até a segunda-feira, que o presidente ucraniano decretou. A gente vinha conversando até pouco tempo, porque estava todo mundo junto no bunker do hotel. Quando a gente saiu para tomar o banho, simplesmente juntaram suas famílias. Não sei se receberam alguma notícia exclusiva, porque sabe que são pessoas famosas, e simplesmente foram embora. A gente fica feliz por eles, não tem problema nenhum, mas foi algo inexplicável", complementou.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O jogador disse que a Embaixada informou sobre a possibilidade de disponibilizar um trem para que deixassem a cidade, mas a avaliação inicial seria continuar na Ucrânia. "Os brasileiros foram na frente do hotel. Inclusive, um dos jogadores assistiu isso e falou que não tem como ir embora. Barulhos de tiro, de bala, de bomba, não teria como sair. A gente está longe. Quando deu essa acalmada, acho que eles olharam, eles têm carros aqui dentro da garagem, pegaram os carros com suas famílias e foram até o trem. Claro que foi muito mais rápido, acredito eu. Mas a gente vinha conversando, tomando decisões. No vídeo que postaram, eu estava junto, é só acompanhar. A gente sempre conversava em sair juntos, decidir juntos, nos reunimos ontem. Mas foi tudo muito rápido. Eles simplesmente foram", disse.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Assine o 247, apoie por Pix, inscreva-se na TV 247, no canal Cortes 247 e assista:

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email