Aécio: Porto de Mariel não trará “qualquer benefício”

Senador contesta argumento de que, com a reaproximação histórica de Estados Unidos e Cuba, o Porto de Mariel, que fica próximo a Havana e foi financiado pelo BNDES, passa a ser estratégico comercialmente para o Brasil; segundo ele, discurso da presidente Dilma Rousseff nesse contexto é uma "piada"; "O porto de Mariel será benéfico a Cuba e será administrado por uma empresa de Cingapura sem que traga qualquer benefício ao Brasil", disse Aécio Neves (PSDB-MG); "O benefício ao Brasil ocorreria se os portos nos quais os investimentos do BNDES foram feitos fossem portos brasileiros. Não se justifica", completou

Senador contesta argumento de que, com a reaproximação histórica de Estados Unidos e Cuba, o Porto de Mariel, que fica próximo a Havana e foi financiado pelo BNDES, passa a ser estratégico comercialmente para o Brasil; segundo ele, discurso da presidente Dilma Rousseff nesse contexto é uma "piada"; "O porto de Mariel será benéfico a Cuba e será administrado por uma empresa de Cingapura sem que traga qualquer benefício ao Brasil", disse Aécio Neves (PSDB-MG); "O benefício ao Brasil ocorreria se os portos nos quais os investimentos do BNDES foram feitos fossem portos brasileiros. Não se justifica", completou
Senador contesta argumento de que, com a reaproximação histórica de Estados Unidos e Cuba, o Porto de Mariel, que fica próximo a Havana e foi financiado pelo BNDES, passa a ser estratégico comercialmente para o Brasil; segundo ele, discurso da presidente Dilma Rousseff nesse contexto é uma "piada"; "O porto de Mariel será benéfico a Cuba e será administrado por uma empresa de Cingapura sem que traga qualquer benefício ao Brasil", disse Aécio Neves (PSDB-MG); "O benefício ao Brasil ocorreria se os portos nos quais os investimentos do BNDES foram feitos fossem portos brasileiros. Não se justifica", completou (Foto: Aquiles Lins)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - O senador Aécio Neves (PSDB-MG) contesta o argumento do governo de que, com o reatamento da relação diplomática entre Estados Unidos e Cuba, o Porto de Mariel, construído pela Odebrecht e financiado pelo Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), passe a ter importância econômica e estratégica para o Brasil. 

"O porto de Mariel foi construído com recursos financeiros [do Brasil] e será benéfico a Cuba e será administrado por uma empresa de Cingapura sem que traga qualquer benefício ao Brasil", rebateu Aécio. Ele classificou como "piada" o discurso da presidente Dilma Rousseff sobre as possibilidades econômicas que o Brasil pode aproveitar com o momento histórico. 

Para o tucano, o porto só beneficiaria o país se fosse administrado por empresa brasileira. "O benefício ao Brasil ocorreria se os portos nos quais os investimentos do BNDES foram feitos fossem portos brasileiros. Não se justifica", completou.

O Porto de Mariel, localizado próximo à capital cubana, Havana, resultou ao Brasil a abertura de 150 mil vagas de trabalho. Cerca de 400 empresas brasileiras estiveram ligadas à obra, fornecendo desde aço, guindastes e botinas e capacetes. Além disso, o BNDES pagou à indústria brasileira em reais e recebeu do governo cubano em dólar.

O Brasil é o segundo maior parceiro comercial de Cuba. À medida que a ilha socialista iniciar e ampliar negócios com os Estados Unidos, melhores condições econômicas as empresas brasileiras terão para instalar subsidiárias em Cuba e, dali, vender produtos para o mercado americano, analisam economistas brasileiros, como a diretoria da Fiesp, que representa a indústria paulista (leia aqui).

Leia também: Antes atacado, porto de Mariel vira estratégico

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como:

• Cartão de crédito na plataforma Vindi: acesse este link

• Boleto ou transferência bancária: enviar email para [email protected]

• Seja membro no Youtube: acesse este link

• Transferência pelo Paypal: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Vakinha: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Catarse: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo APOIA.se: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Patreon: acesse este link

Inscreva-se também na TV 247, siga-nos no Twitter, no Facebook e no Instagram. Conheça também nossa livraria, receba a nossa newsletter e ative o sininho vermelho para as notificações.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247