Alagoas é líder em mortalidade infantil

O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) revela que Alagoas é o estado líder no índice de mortalidade infantil no País, com média de 30,2 óbitos de crianças com menos de um ano para cada grupo de 1.000 nascidos. Os números divulgados revelam ainda que Alagoas tem a menor expectativa de vida para homens. No estado, a média de longevidade é de 64,60 anos. Segundo o IBGE, em 2010, a mortalidade masculina atingiu principalmente jovens do grupo de idade entre 20 e 24 anos.

Alagoas é líder em mortalidade infantil
Alagoas é líder em mortalidade infantil
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Alagoas247 - Dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), divulgados nesta sexta-feira (2), mostram que Alagoas é líder no índice de mortalidade infantil no país. O estado tem média de 30,2 óbitos de crianças com menos de um ano para cada grupo de 1.000 nascidos. No outro extremo está Santa Catarina, com 9,2 mortes. Os números são referentes ao Censo 2010.

Os números registrados em Alagoas superam as médias do Brasil e da região Nordeste, que são, respectivamente, 16,7 e 23 por grupo de 1.000 nascidos. O número de óbitos, no entanto, é menor que a média registrada em 1980, data que serviu como base para a comparação: 111,6 mortes.

No Brasil, o índice de mortalidade infantil caiu 75,8% entre 1980 e 2010. Em 1980, eram registrados no Brasil 69,1 óbitos de crianças menores de 1 ano para cada grupo de mil nascidos vivos. Já em 2010, a taxa era de 16,7 óbitos, segundo o IBGE.

Os números divulgados revelam ainda que Alagoas é o estado com menor expectativa de vida para homens. No estado, a média de longevidade é de 64,60 anos. Segundo o IBGE, em 2010, a mortalidade masculina atingiu principalmente jovens do grupo de idade entre 20 e 24 anos.

Houve, porém, uma melhora na expectativa de vida geral da população - que inclui homens e mulheres. Na comparação entre os anos de 1980 e 2010, o índice de longevidade passou de 55,7 para 69,2 anos.

O levantamento chama a atenção para a sobre mortalidade masculina, resultado da maior exposição dos homens aos óbitos por causas externas, como homicídios ou acidentes de trânsito.

Com gazetaweb.com

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247