Apple revela irregularidade no trabalho de empregados em fábrica terceirizada, mas não rompe contrato com responsável

Segundo uma nota da empresa americana, a empresa responsável pelas irregularidades, a taiwanesa Regatron, utiliza o trabalho de estudantes; no entanto, a Apple decidiu não cancelar seus contratos, já que isso poderia interromper as cadeias de produção do iPhone

Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - A própria Apple revelou em nota a existência de irregularidades no trabalho em suas cadeias de produção, que são compostas em grande parte por fábricas terceirizadas responsáveis por produzir apenas partes do produto final. Uma destas fábricas, a Regatron, de Taiwan, é acusada de utilizar o trabalho de estudantes na montagem dos componentes internos do iPhone. 

No entanto, como reportado na BBC, a empresa americana se limitou apenas à demitir o responsável pelo programa que reunia os estudantes. Nenhum contrato foi rompido até o momento, já que o termo utilizado na nota é “liberdade condicional”. Ou seja, desde que cumpra certas condições, a empresa taiwanesa terá seus contratos mantidos.

Uma das razões principais para a decisão é a manutenção das linhas de produção do iPhone. 

Movimentos dos trabalhadores sempre criticaram as condições nas empresas contratadas pela Apple, o que mostra que o código de conduta da empresa não é forte o suficiente.

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247