Audiência Pública debate papel do Dnocs

Com a previsão de um quinto ano seguido de estiagem no Estado, o papel do Departamento Nacional de Obras Contra a Seca (Docs) será debatido em audiência pública nesta segunda-feira (7), na Assembleia Legislativa. Para o deputado Carlos Matos (PSBD), que propôs a discussão, “sua situação deve ser bastante discutida, antes de ser tomada qualquer medida drástica”

Com a previsão de um quinto ano seguido de estiagem no Estado, o papel do Departamento Nacional de Obras Contra a Seca (Docs) será debatido em audiência pública nesta segunda-feira (7), na Assembleia Legislativa. Para o deputado Carlos Matos (PSBD), que propôs a discussão, “sua situação deve ser bastante discutida, antes de ser tomada qualquer medida drástica”
Com a previsão de um quinto ano seguido de estiagem no Estado, o papel do Departamento Nacional de Obras Contra a Seca (Docs) será debatido em audiência pública nesta segunda-feira (7), na Assembleia Legislativa. Para o deputado Carlos Matos (PSBD), que propôs a discussão, “sua situação deve ser bastante discutida, antes de ser tomada qualquer medida drástica” (Foto: Rodrigo Rocha)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Ceará247 - A Comissão de Desenvolvimento Regional, Recursos Hídricos, Minas e Pesca da Assembleia Legislativa, presidida pela deputada Laís Nunes (Pros), debate, nesta segunda-feira (07/12), às 14h30, o papel e a importância do Dnocs frente à convivência com a seca. A audiência pública atende a requerimento do deputado Carlos Matos (PSDB).

De acordo com Carlos Matos, o Departamento Nacional de Obras Contra as Secas (Dnocs) se constitui, entre os órgãos regionais, na mais antiga instituição federal com atuação no Nordeste. Ocorre que, em reunião com lideranças políticas do Nordeste, em 23 de setembro de 2015, a presidente Dilma Rousseff anunciou seu plano de extinção do Dnocs, autarquia com 106 anos de existência responsável pela maioria das obras na Região, muitas no Ceará.

“O Dnocs hoje é responsável pela integração do rio São Francisco, maior obra hídrica do País e que tem previsão de ficar pronta até 2016”, observa o parlamentar. Segundo Carlos Matos, com uma possível extinção do Dnocs, a continuidade de suas atribuições ficaria a cargo da Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e do Parnaíba (Codevasf). “Dado o apoio do Dnocs para os tempos de convivência com a seca e toda a sua relevância para o contexto nacional, em especial para o sertão nordestino, sua situação deve ser bastante discutida, antes de ser tomada qualquer medida drástica”, acrescenta o deputado.

 

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247