‘Auxílio mina a credibilidade da Justiça, que já está desgastada’, diz Eliana Calmon

A ex-ministra do STJ e ex-corregedora-geral da Justiça Eliana Calmon comenta o recebimento de auxílio-moradia por juízes de todo o País; ela criticou o argumento da defesa do penduricalho, utilizado inclusive pelo juiz Sérgio Moro, de que o benefício compensa a falta de aumento nos salários dos magistrados; "Ora, se é aumento salarial, deveria incidir imposto de renda e pagar também aos aposentados, o que não ocorre. Pela condução da própria defesa do auxílio-moradia, vê-se que não é uma coisa muito arrumada do ponto de vista da legalidade, nem da moralidade", diz ela

A ex-ministra do STJ e ex-corregedora-geral da Justiça Eliana Calmon comenta o recebimento de auxílio-moradia por juízes de todo o País; ela criticou o argumento da defesa do penduricalho, utilizado inclusive pelo juiz Sérgio Moro, de que o benefício compensa a falta de aumento nos salários dos magistrados; "Ora, se é aumento salarial, deveria incidir imposto de renda e pagar também aos aposentados, o que não ocorre. Pela condução da própria defesa do auxílio-moradia, vê-se que não é uma coisa muito arrumada do ponto de vista da legalidade, nem da moralidade", diz ela
A ex-ministra do STJ e ex-corregedora-geral da Justiça Eliana Calmon comenta o recebimento de auxílio-moradia por juízes de todo o País; ela criticou o argumento da defesa do penduricalho, utilizado inclusive pelo juiz Sérgio Moro, de que o benefício compensa a falta de aumento nos salários dos magistrados; "Ora, se é aumento salarial, deveria incidir imposto de renda e pagar também aos aposentados, o que não ocorre. Pela condução da própria defesa do auxílio-moradia, vê-se que não é uma coisa muito arrumada do ponto de vista da legalidade, nem da moralidade", diz ela (Foto: Aquiles Lins)

Bahia 247 - A ex-ministra do Superior Tribunal de Justiça (STJ) e ex-corregedora-geral da Justiça, Eliana Calmon criticou a defesa do auxílio-moradia por entidades de classe de juízes. Segundo ela, o auxílio-moradia está 'mal arrumado' legal e moralmente

"Minha posição não é de agora, que estou aposentada. Votei contra o auxílio no Conselho da Justiça Federal, quando estudei bem a questão. A Lei Orgânica da Magistratura (Loman) não contempla o auxílio-moradia para juiz, a não ser na circunstância específica de quando está fora de seu foro natural. Fora isso, é um puxadinho", diz Calmon.

Ela criticou o argumento da defesa deo auxílio-moradia, utilizado inclusive pelo juiz Sérgio Moro, de que o benefício compensa a falta de aumento nos salários dos magistrados.

"Ora, se é aumento salarial, deveria incidir imposto de renda e pagar também aos aposentados, o que não ocorre. Pela condução da própria defesa do auxílio-moradia, vê-se que não é uma coisa muito arrumada do ponto de vista da legalidade, nem da moralidade. E aí se amplifica a coisa", diz ela.

"O que está errado é como boi que passa numa cerca: pelo portão que passa um, passa uma boiada. Aí, há gente com imóvel próprio na cidade onde vive recebendo auxílio, caso de marido e mulher ganhando, e por aí vai... (o caso mais conhecido em que um casal de juízes recebe dois auxílios é o dos juízes federais Marcelo e Simone Bretas, no Rio). Não quero ser palmatória do mundo, mas no íntimo não acho uma coisa certa", acrescenta.

Leia a entrevista na íntera no jornal O Globo

Conheça a TV 247

Mais de Geral

Ao vivo na TV 247 Youtube 247