Banco holandês indica Goiás para investimento

Estado de Goiás foi recomendado pelo banco holandês RaboBank como o destino ideal no Brasil para que uma das maiores multinacionais da Alemanha, a BayWa, construa sua nova fábrica na América do Sul; revelação foi feita por Klaus Josef Lutz, CEO da BayWa, uma das maiores empresas da Alemanha e grande importadora de grãos do Brasil e que também investe em energia renovável; Klaus aceitou, na manhã desta quarta-feira (21), em Munique, o convite feito pelo governador Marconi Perillo para conhecer Goiás com vistas à implantação de sua primeira unidade do Brasil

Estado de Goiás foi recomendado pelo banco holandês RaboBank como o destino ideal no Brasil para que uma das maiores multinacionais da Alemanha, a BayWa, construa sua nova fábrica na América do Sul; revelação foi feita por Klaus Josef Lutz, CEO da BayWa, uma das maiores empresas da Alemanha e grande importadora de grãos do Brasil e que também investe em energia renovável; Klaus aceitou, na manhã desta quarta-feira (21), em Munique, o convite feito pelo governador Marconi Perillo para conhecer Goiás com vistas à implantação de sua primeira unidade do Brasil
Estado de Goiás foi recomendado pelo banco holandês RaboBank como o destino ideal no Brasil para que uma das maiores multinacionais da Alemanha, a BayWa, construa sua nova fábrica na América do Sul; revelação foi feita por Klaus Josef Lutz, CEO da BayWa, uma das maiores empresas da Alemanha e grande importadora de grãos do Brasil e que também investe em energia renovável; Klaus aceitou, na manhã desta quarta-feira (21), em Munique, o convite feito pelo governador Marconi Perillo para conhecer Goiás com vistas à implantação de sua primeira unidade do Brasil (Foto: José Barbacena)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Goiás 247 - O Estado de Goiás foi recomendado pelo banco holandês RaboBank como o destino ideal no Brasil para que uma das maiores multinacionais da Alemanha, a BayWa, construa sua nova fábrica na América do Sul. O banco prospectou localidades no Brasil e Argentina para concluir que Goiás sai em vantagem na comparação com outros Estados nos dois países.

A revelação foi feita por Klaus Josef Lutz, CEO da BayWa, uma das maiores empresas da Alemanha e grande importadora de grãos do Brasil e que também investe em energia renovável. Klaus aceitou, na manhã desta quarta-feira (21), em Munique, o convite feito pelo governador Marconi Perillo para conhecer Goiás com vistas à implantação de sua primeira unidade do Brasil.

Com faturamento anual de 16 bilhões de euros e presente em 28 países, a BayWa é uma das gigantes da Europa no ramo de produção de alimentos, geração de energias renováveis e material de construção.

A empresa busca o local ideal para instalar sua fábrica e contratou o banco holandês para aconselhá-los. Ao final da reunião entre Marconi e Lutz, os dois acertaram uma visita dos alemães entre fevereiro e março de 2016.

Ainda em Munique, Marconi Perillo se reuniu com a cônsul-geral do Brasil em Munique, Carmen Lídia Richter Ribeiro, e com a presidente da Baylat, Irma de Melo-Reiners. Governador buscou a consolidação de acordo entre a Alemanha e Goiás, por meio do Inova Goiás.

"Vejo de forma muita positiva a visita do governador Marconi Perillo. Tenho certeza que vão surgir várias oportunidades de apoio ao programa Goiás Sem Fronteiras, uma iniciativa do governador Perillo. O programa já está maduro e os primeiros estudantes de Goiás serão enviados ao exterior a partir de julho do ano que vem, conforme foi informado pelo governador”, afirmou Carmen Lídia Richter Ribeiro.

(com informações do site A Redação)

 

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247