Bloco de Luta marcha em apoio a camponeses no RS

Em um protesto diferente dos anteriores, o Bloco de Luta pelo Transporte Público marchou pelo Centro de Porto Alegre, no quinto ato do ano; fazendo um trajeto distinto, os manifestantes foram até a sede do Incra, onde militantes do MST e da Via Campesina acampam; protesto contou com cerca de 300 manifestantes, que distribuíram panfletos à população que parecia impaciente enquanto aguardava seus ônibus; em uma faixa se lia "Cidade e campo: nem golpe! Nem governo! Nem patrão! Poder popular"

Em um protesto diferente dos anteriores, o Bloco de Luta pelo Transporte Público marchou pelo Centro de Porto Alegre, no quinto ato do ano; fazendo um trajeto distinto, os manifestantes foram até a sede do Incra, onde militantes do MST e da Via Campesina acampam; protesto contou com cerca de 300 manifestantes, que distribuíram panfletos à população que parecia impaciente enquanto aguardava seus ônibus; em uma faixa se lia "Cidade e campo: nem golpe! Nem governo! Nem patrão! Poder popular"
Em um protesto diferente dos anteriores, o Bloco de Luta pelo Transporte Público marchou pelo Centro de Porto Alegre, no quinto ato do ano; fazendo um trajeto distinto, os manifestantes foram até a sede do Incra, onde militantes do MST e da Via Campesina acampam; protesto contou com cerca de 300 manifestantes, que distribuíram panfletos à população que parecia impaciente enquanto aguardava seus ônibus; em uma faixa se lia "Cidade e campo: nem golpe! Nem governo! Nem patrão! Poder popular" (Foto: Leonardo Lucena)

Débora Fogliatto, Sul 21 - Em um protesto diferente dos anteriores, o Bloco de Luta pelo Transporte Público marchou nesta quarta-feira (11) pelo Centro de Porto Alegre, no quinto ato do ano. Fazendo um trajeto distinto, os manifestantes foram até a sede do Incra, onde militantes do Movimento Sem Terra (MST) e da Via Campesina acampam desde terça-feira (10).

O protesto começou a tomar corpo por volta das 18h na frente da sede da Prefeitura, no centro da cidade. Um pouco antes da saída da marcha, um caminhão de som do movimento de vigilantes, em greve há dois dias, passou pelo local demonstrando apoio à luta pela redução do valor do transporte público. Às 19h, o ato saiu caminhando pela avenida Júlio de Castilhos, cantando "Mais um aumento eu não vou pagar".

O protesto contou com cerca de 300 manifestantes, que deram a volta no terminal Parobé, em frente ao Mercado Público, onde distribuíram panfletos à população que parecia impaciente enquanto aguardava seus ônibus. O material explica as demandas do Bloco: a existência de transporte 100% público e o repúdio ao aumento que fez a passagem de ônibus passar para R$ 3,25 na capital gaúcha.

Com uma faixa onde se lia “Cidade e campo: nem golpe! Nem governo! Nem patrão! Poder popular”, o ato seguiu pela Júlio até o terminal do Camelódromo, onde dobrou à esquerda — sentido contrário ao que o Bloco havia feito em protestos anteriores — chegando na Avenida Mauá.

A partir daí, o ato começou a ser acompanhado por forte aparato policial. A cavalaria da Brigada Militar tomou a avenida Júlio de Castilhos em paralelo à marcha, enquanto a Tropa de Choque seguia a caminhada por trás e, eventualmente, passou a andar lado a lado dos manifestantes, cercando o grupo.

Alternando aos gritos que pediam a diminuição do valor da passagem, o Bloco passou a proferir também “Recua polícia recua, é o poder popular que está na rua” e “A luta não se reprime, protesto não é crime”, enquanto seguia em frente. As motos da Brigada Militar seguiam na frente do protesto, avançando devagar quando os manifestantes se aproximavam.

Durante o caminho, os que não sabiam para onde o ato se dirigia estranhavam o trajeto, pois a Avenida Mauá conta com poucas residências e a circulação de pessoas era baixa durante a noite. Logo, porém, a intenção de se somar aos camponeses acampados ficou clara.

Chegando aos prédios da Receita Federal e do Instituto de Colonização e Reforma Agrária (Incra), onde centenas de camponeses estão acampados, o grupo foi recebido com aplausos e juntou suas reivindicações às do MST e Via Campesina. “Não há justiça sem liberdade, ação direta no campo e na cidade”, cantavam, seguido de “O camponês é meu amigo, mexeu com ele, mexeu comigo”.

Para esclarecer as pautas dos camponeses e agradecer aos manifestantes, Valdemir Vezaro, da Via Campesina, fez uma fala direcionada aos militantes do Bloco. “É uma imensa alegria de ter vocês da luta urbana, nas trincheiras da luta por uma sociedade mais justa e mais democrática, aqui com a Via Campesina”, expressou.

Ele explicou que os camponeses estão ocupando prédios públicos para “dizer que o país tem que ser dos trabalhadores e das pessoas que mais necessitam”. Valdemir também destacou a luta contra os agrotóxicos, que foi tema de audiência na Assembleia Legislativa nesta terça-feira (10).

Em seguida, Lorena Castillo, da Frente Anarquista Gaúcha, afirmou que o Bloco luta “contra o agronegócio, a violência policial, o aumento das passagens e do custo de vida em geral”. Cantando “Lutar, criar, poder popular”, os manifestantes do Bloco seguiram, por volta das 20h30, até o Largo Zumbi dos Palmares, onde a marcha dispersou.

Conheça a TV 247

Ao vivo na TV 247 Youtube 247