Câmara aprova projeto Maria da Penha vai às Escolas

A Câmara Municipal aprovou os projetos 96 e 97/2015, de autoria do presidente da Casa, vereador Paulo Câmara, que instituem o Projeto Maria da Penha Vai às Escolas; o objetivo, segundo o tucano, é despertar nos estudantes o interesse sobre assuntos ligados aos direitos humanos, especialmente os que envolvem o combate à violência contra a mulher; a iniciativa propõe criação de material didático e ações que tratem de forma lúdica, dentro do ambiente escolar, o tema da violência doméstica contra as mulheres

A Câmara Municipal aprovou os projetos 96 e 97/2015, de autoria do presidente da Casa, vereador Paulo Câmara, que instituem o Projeto Maria da Penha Vai às Escolas; o objetivo, segundo o tucano, é despertar nos estudantes o interesse sobre assuntos ligados aos direitos humanos, especialmente os que envolvem o combate à violência contra a mulher; a iniciativa propõe criação de material didático e ações que tratem de forma lúdica, dentro do ambiente escolar, o tema da violência doméstica contra as mulheres
A Câmara Municipal aprovou os projetos 96 e 97/2015, de autoria do presidente da Casa, vereador Paulo Câmara, que instituem o Projeto Maria da Penha Vai às Escolas; o objetivo, segundo o tucano, é despertar nos estudantes o interesse sobre assuntos ligados aos direitos humanos, especialmente os que envolvem o combate à violência contra a mulher; a iniciativa propõe criação de material didático e ações que tratem de forma lúdica, dentro do ambiente escolar, o tema da violência doméstica contra as mulheres (Foto: Romulo Faro)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Bahia 247 - Entre os projetos aprovados na Câmara Municipal na quarta-feira (6) estão os 96 e 97/2015, de autoria do presidente da Casa, vereador Paulo Câmara (PSDB), que instituem o Projeto Maria da Penha Vai às Escolas. O objetivo, segundo o tucano, é despertar nos estudantes o interesse sobre assuntos ligados aos direitos humanos, especialmente os que envolvem o combate à violência contra a mulher.

A iniciativa propõe criação de material didático e ações que tratem de forma lúdica, dentro do ambiente escolar, o tema da violência doméstica contra as mulheres. A ideia é realizar atividades que visam à reflexão e a crítica sobre o tema e os meios de combatê-lo.

A proposta tem como modelo o projeto implantado em escolas da rede estadual de ensino do estado de Minas Gerais, lançado pela Secretaria de Desenvolvimento Social, em parceria com a Secretaria de Educação. Lá, o projeto integra a Rede de Educação em Direitos Humanos da Subsecretaria de Direitos Humanos.

Botão Maria da Penha

O vereador Paulo Câmara vem reunindo esforços no parlamento para combater a violência contra a mulher. Após elaborar propostas para a implantação do Botão Maria da Penha junto à Prefeitura de Salvador em abril de 2013 e ao governo do Estado em janeiro de 2014, por meio dos projetos de indicação 269/2013 e 01/2014, o vereador lançou o aplicativo Botão Maria da Penha e aguarda implantação através de uma parceria com a desembargadora do Tribunal de Justiça da Bahia (TJ-BA), Nágila Brito, e equipe multidisciplinar.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como:

• Cartão de crédito na plataforma Vindi: acesse este link

• Boleto ou transferência bancária: enviar email para [email protected]

• Seja membro no Youtube: acesse este link

• Transferência pelo Paypal: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Patreon: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Catarse: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Apoia-se: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Vakinha: acesse este link

Inscreva-se também na TV 247, siga-nos no Twitter, no Facebook e no Instagram. Conheça também nossa livraria, receba a nossa newsletter e ative o sininho vermelho para as notificações.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247