Campos desembarca do governo. É candidato

O PSB está fora do governo Dilma e a decisão será anunciada nesta quarta-feira, quando serão entregues os dois ministérios ocupados pelo partido: o da Integração Nacional, com Fernando Bezerra Coelho, e o Secretaria de Portos, com Leônidas Cristino. "Cargos nunca precederam nem orientaram a aliança que fizemos há mais de dez anos com a frente política que está no poder. Não vamos ficar nesse balcão de cargos. Nossa relação com os governos de Lula e de Dilma sempre foi de apoio desinteressado”, disse Campos em reunião nesta terça; ele nega que a decisão antecipará a definição sobre sua candidatura a presidente; no entanto, é óbvio que já é candidato

O PSB está fora do governo Dilma e a decisão será anunciada nesta quarta-feira, quando serão entregues os dois ministérios ocupados pelo partido: o da Integração Nacional, com Fernando Bezerra Coelho, e o Secretaria de Portos, com Leônidas Cristino. "Cargos nunca precederam nem orientaram a aliança que fizemos há mais de dez anos com a frente política que está no poder. Não vamos ficar nesse balcão de cargos. Nossa relação com os governos de Lula e de Dilma sempre foi de apoio desinteressado”, disse Campos em reunião nesta terça; ele nega que a decisão antecipará a definição sobre sua candidatura a presidente; no entanto, é óbvio que já é candidato
O PSB está fora do governo Dilma e a decisão será anunciada nesta quarta-feira, quando serão entregues os dois ministérios ocupados pelo partido: o da Integração Nacional, com Fernando Bezerra Coelho, e o Secretaria de Portos, com Leônidas Cristino. "Cargos nunca precederam nem orientaram a aliança que fizemos há mais de dez anos com a frente política que está no poder. Não vamos ficar nesse balcão de cargos. Nossa relação com os governos de Lula e de Dilma sempre foi de apoio desinteressado”, disse Campos em reunião nesta terça; ele nega que a decisão antecipará a definição sobre sua candidatura a presidente; no entanto, é óbvio que já é candidato (Foto: Valter Lima)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 – O PSB dará nesta quarta-feira (18) o passo mais importante rumo à candidatura de Eduardo Campos a presidente da República em 2014. Nesta data, o partido realizará a reunião com seus principais líderes em Brasília para oficializar a entrega dos cargos que possui no governo da presidente Dilma Rousseff (PT), inclusive os dos ministros Fernando Bezerra Coelho (Integração Nacional) e Leônidas Cristino (Secretaria de Portos). Eduardo, inclusive, já comunicou a decisão a ambos.

"Os cargos nunca precederam nem orientaram a aliança que fizemos há mais de dez anos com a frente política que está no poder. Não vamos ficar nesse balcão de cargos. Nossa relação com os governos de Lula e de Dilma sempre foi de apoio desinteressado”, disse Eduardo Campos, segundo reportagens do G1 e do Estadão. Ele preferia tomar este posicionamento mais adiante. Mesmo fora do governo, Campos disse que vai ajudar o governo no que for necessário.

O líder do PSB na Câmara, Beto Albuquerque, afirmou que "o partido está constrangido com as ameaças que vêm sendo feitas por intermédio dos jornais” sobre as pressões que o PT estaria fazendo para que a presidente Dilma retomasse os cargos que estão com o PSB. Para evitar que parta de Dilma o pedido dos cargos, o PSB se antecipará ao governo e desembarcará da gestão petista.

Segundo o jornalista Josias de Souza, de todos os caciques presentes à reunião desta terça, só o governador do Espírito Santo, Renato Casagrande, defendeu o adiamento da retirada. Mas mesmo ele, ao perceber que ficara vencido, associou-se à maioria. Defensores do apoio do PSB à candidatura reeleitoral de Dilma, os irmãos cearenses Cid e Ciro Gomes podem se opor à entrega dos cargos. Nessa hipótese, tendem a ficar isolados. E podem até ser convidados a deixar o partido. 

O ato desta quarta é o aceno mais vigoroso de uma candidatura de Campos a presidente, embora ele negue. "A decisão sobre o debate sucessório só ocorrerá em 2014. Essa é uma decisão tomada pelo partido lá atrás e será cumprida", afirmou. No entanto, sem as limitações que a presença no bloco do governo representa, a tendência é que o governador de Pernambuco se posicione ainda mais em contraponto ao governo da presidente Dilma.

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247