“Chefes são peritos em humilhar”: funcionários de Valdemiro Santiago, em greve, denunciam exploração e calote em salários

40% dos funcionários aderiram à greve dentro da Igreja Mundial do Poder de Deus, liderada por Valdemiro Santiago. Empresário tem fortuna estimada em R$ 450 milhões

www.brasil247.com -
(Foto: Reprodução)


247 - Os grevistas prometeram em ata que não iam usar carro de som na porta do templo para não atrapalhar os cultos. Por seu lado, o patrão disse, durante um sermão, que os trabalhadores em greve têm "a alma no fogo do inferno". A histórica paralisação dentro da Igreja Mundial do Poder de Deus, denominação liderada por Valdemiro Santiago, tem uma negociação bem peculiar. A reportagem é do portal UOL. 

"Eles ficam falando de teologia da prosperidade, mas não são capazes de pagar em dia seus funcionários. A gente passa vergonha com impostos atrasados e sem vale-refeição para comer", reclama a atendente Vera Lúcia Nazário, que foi obreira voluntária por três anos antes de virar atendente com carteira assinada. Há oito anos ela trabalha na central de carnês e boletos para quem paga dízimos e doações. Ela está no grupo de grevistas mobilizados na entrada da sede central no Brás, centro de São Paulo.

Segundo sindicalistas, incluindo os do Seibref (Sindicato dos Empregados em Instituições Beneficentes, Religiosas e Filantrópicas de São Paulo), esta é a primeira vez que há uma paralisação de funcionários diretamente da estrutura de uma igreja no Estado de São Paulo — não há notícia sobre paralisação similar no país. Além da área administrativa, parte do pessoal da TV Mundial também está parado.

Pelo menos 40% dos mais de mil trabalhadores da instituição aderiram ao movimento desde o último dia 9 até nesta sexta-feira (19), data em que a Igreja Mundial se comprometeu a pagar todos os salários e benefícios atrasados. Depois, os trabalhadores permanecem em "estado de greve", esperando que a empresa cumpra até janeiro com as cotas que faltam do FGTS (Fundo de Garantia por Tempo de Serviço) junto à Caixa Econômica Federal.

Adriana Firmino, três anos de obreira e sete como funcionária, faz um relato de abusos: Os chefes aqui são peritos em humilhar. Eles mexem com o psicológico das pessoas. Quando é para cobrar e punir, aqui é uma empresa. Quando o trabalhador tem razão, é uma igreja, e se queixar é coisa do diabo."

Assine o 247, apoie por Pix, inscreva-se na TV 247, no canal Cortes 247 e assista:

O conhecimento liberta. Quero ser membro. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

Cortes 247

WhatsApp Facebook Twitter Email