Citado no caso Youssef, Negromonte vai para TCM

A minoria na Assembleia Legislativa está 'indignada' com a eleição do deputado federal Mário Negromonte (ex-ministro das Cidades) para uma vaga de conselheiro do Tribunal de Contas dos Municípios (TCM); ele foi indicado pelo governador Jaques Wagner e seu nome foi referendado com facilidade pela inchada base de sustentação do governo; 'revoltado', o deputado Targino Machado (DEM) sugeriu que Negromonte não tem 'conduta ilibada' para ocupar a corte por causa das denúncias de envolvimento dele com o doleiro Alberto Youssef

DF - CIDADES/CRISE - POL�TICA - O ministro das Cidades, M�rio Negromonte,   fala sobre den�ncias de doa��es ilegais   durante audi�ncia p�blica na Comiss�o de   Desenvolvimento Urbano, na C�mara dos   Deputados, em Bras�lia.    10/08/2011 - Foto: DIDA SAM
DF - CIDADES/CRISE - POL�TICA - O ministro das Cidades, M�rio Negromonte, fala sobre den�ncias de doa��es ilegais durante audi�ncia p�blica na Comiss�o de Desenvolvimento Urbano, na C�mara dos Deputados, em Bras�lia. 10/08/2011 - Foto: DIDA SAM (Foto: Romulo Faro)

Bahia 247 - A bancada da minoria na Assembleia Legislativa da Bahia está 'indignada' com a eleição do deputado federal Mário Negromonte (ex-ministro das Cidades e presidente local do PP) para uma vaga de conselheiro do Tribunal de Contas dos Municípios (TCM). O progressista foi indicado pelo governador Jaques Wagner e seu nome foi referendado com muita facilidade pela inchada base de sustentação do governo, que tem 45 dos 63 parlamentares.

'Revoltado', o deputado Targino Machado, do DEM, sugeriu que Negromonte não tem 'conduta ilibada' para ocupar a corte que julga as contas das prefeituras baianas por causa das denúncias de envolvimento dele com o doleiro Alberto Youssef, preso pela Polícia Federal na Operação Lava Jato, há dois meses.

Em nova denúncia, a revista Veja publicou informação de que Negromonte e o deputado Luiz Argôlo (ex-PP e atualmente no SDD) usavam nomes diferentes dos seus nomes apresentados nas urnas nas eleições quando iam ao escritório do lobista. O deputado reagiu com indiferença às insinuações da oposição na Assembleia Legislativa.

"Não vou responder a denúncia de revista. Prefiro ouvir o juiz Sergio Moro, que está com a questão e encaminhou para o Supremo (Tribunal Federal) o nome de três deputados (inclusive o de Argôlo). Meu nome não está nessa lista, pois não existem telefonemas, mensagens e dinheiro em conta. Não tenho nenhum vínculo com esse pessoal", disse Negromonte ao site Bahia Notícias.

Sobre a publicação ter divulgado sua suposta ida ao escritório de Youssef, com o nome incompleto, Negromonte disse que a revista "não tem boa vontade" com ele.

"Quando estava no ministério, aconteceu uma grande onda de denúncias. Vasculharam a minha vida e da minha família e não acharam nada. Não respondo a nenhum processo: CGU, TCU, MP, PF, Supremo, nada. Portanto, só respondo se tiver algum inquérito ou processo e não a revista, que certamente não tem boa vontade comigo, pois suas denúncias do passado não lograram êxito".

Conheça a TV 247

Mais de Geral

Ao vivo na TV 247 Youtube 247