Com 290 mil comprimidos em estoque, Exército não distribuiu cloroquina em 2021

De setembro ao final de dezembro de 2020, governo federal distribuiu 482 mil doses do medicamento para tratar pacientes em estado grave de Covid-19

(Foto: Divulgação)
Siga o Brasil 247 no Google News

247 - O Exército Brasileiro revelou à CNN que, sem demanda de Secretarias Estaduais e Municipais de Saúde, não houve distribuição de cloroquina 150 mg ao longo deste ano. O Centro de Comunicação Social do Exército (CCOMSEx) informa também que constam 290 mil comprimidos do medicamento armazenados no Laboratório Químico e Farmacêutico do Exército (LQFEX), no Rio de Janeiro.

De acordo com a reportagem da CNN, entre os meses de setembro e final de dezembro de 2020, o governo federal distribuiu 482 mil doses do medicamento para tratar pacientes em estado grave de Covid-19. O remédio tem ineficácia cientificamente comprovada contra o novo coronavírus.

Em fevereiro, o Ministério da Saúde afirmou que o governo federal não ampliou a produção de cloroquina, tampouco a de hidroxicloroquina. No ano de 2020, 19 unidades de saúde de municípios do Rio de Janeiro devolveram 19 mil comprimidos de cloroquina enviados pelo governo federal ao estado. O total corresponde a quase metade dos 42 mil comprimidos recebidos pelas unidades de saúde.

PUBLICIDADE

Segundo o Exército informou à reportagem, em maio, estavam registrados 298.090 comprimidos de cloroquina em estoque. Questionado, na época, sobre uma redução na quantidade dos medicamentos em comparação com o mês de março (317 mil comprimidos), foi explicado que é devido ao “fornecimento da capacidade prevista para as Regiões Militares”.

Em divulgação nas redes sociais da Secretaria de Comunicação Social da Presidência da República (Secom), em março do ano passado, era explicado que o medicamento estava aprovado para casos graves da doença e que o Ministério da Defesa anunciava o aumento da produção do medicamento nos três laboratórios das Forças Armadas. No mesmo período, o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) defendia o uso em reunião do G-20.

PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

PUBLICIDADE

Cortes 247

PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email