Comissão da Verdade não sai do papel em Alagoas

O projeto que dorme nas gavetas da Assembleia Legislativa de Alagoas baseou-se nos mesmos moldes da Comissão da Verdade do Congresso Nacional. Só que o governo do Estado, apesar de ter aprovado e sancionado, alega que o projeto em si não trás em seu bojo elementos suficientes que viabilizem a comissão. Segundo a oposição, a Mesa Diretora do Legislativo não tem interesse em dar celeridade à votação do projeto que cria a Comissão da Verdade em Alagoas.

Comissão da Verdade não sai do papel em Alagoas
Comissão da Verdade não sai do papel em Alagoas
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Apesar de ter sido apresentado e aprovado em agosto de 2012, o projeto de lei que cria a Comissão da Verdade, na Assembleia Legislativa do Estado (ALE), ainda não saiu do papel.

Segundo o autor da matéria, Judson Cabral (PT), apesar de ter aprovado e sancionado o governador Teotônio Vilela Filho (PSDB), devolveu o projeto a ALE com alterações sem seu teor, entre elas, o nome da comissão que, se aprovada, passará a se chamar, Comissão da Verdade Jaime Miranda.

“Naturalmente, esse projeto recebeu orientação dos moldes da Comissão do Congresso Nacional. Só que o governo do Estado apesar de ter aprovado e sancionado, alega que o projeto em si não trás em seu bojo elementos suficientes que viabilizem a comissão”, disse o petista.

Cabral quer que ele seja apreciado em regime de urgência, já que hoje ele está “engavetado na ALE”.

Conforme a avaliação do parlamentar petista, a Mesa Diretora da Casa de Tavares Bastos não tem interesse em dar celeridade à votação. “Eu não diria que apenas com esse projeto, mas com outros projetos de grande importância. Então, é preciso que nós estejamos aqui cobrando. A falta de celeridade, de informatização, elas são as debilidades”, lamentou Judson.

A reportagem tentou ouvir o presidente da ALE, Fernando Toledo (PSDB), mas ele não quis atender-nos; preferiu se pronunciar após “se inteirar sobre o assunto”.

Após a abertura dos documentos referentes aos anos grotescos da ditadura, histórias e inverdades surgem com o intuito de esconder ou despistar o que de fato houve contra o povo brasileiro. Entre as sagas que se pode encontrar está a da alagoana de Coruripe, Gastone Lúcia Carvalho Beltrão.

O Portal ‘Eremias Delizoicov’, que dispõe de diversos dossiês de militantes políticos mortos durante a repressão, traz a ficha de Gastone Beltrão, estudante de Economia da Ufal.

Segundo as informações de sua ficha, Gastone, ou melhor, Rosa ou ainda Rosa Lúcia, como era identificada na Ação Libertadora Nacional (ALN) - uma das organizações guerrilheiras mais atuantes no combate à máquina belicosa do Estado brasileiro teve papel importante na luta armada.

Gastone teria sido morta no dia 22 de janeiro de 1972, em São Paulo. Há contradições, no tocante da causa mortis e em seu horário. Documentos indicam que ela teria sido levada e morta sob tortura nos porões do Dops.

Já conforme os relatórios do Ministério da Aeronáutica e da Marinha, a militante faleceu devido a um tiroteio com agentes de segurança. O nome de Gastone foi citado entre os 52 ‘perigosos’ da resistência, em panfletos espalhados pela polícia paulista. Segundo artigo do Jornal da Tarde/O Estado de S. Paulo, a alagoana tinha atuação de destaque na ALN.

No relatório, até o marido de Gastone, José Pereira da Silva, foi acusado de assaltar um colégio em SP.

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247