Coronel já demitiu 130 comissionados na ALBA

O novo presidente da Assembleia Legislativa da Bahia (ALBA), deputado Ângelo Coronel (PSD), cumpre à risca a promessa que fizera de cortar gastos; para tanto, ele escolheu como medida principal demitir servidores admitidos por meio de cargos de confiança; Coronel espera economizar aproximadamente R$ 1 milhão na folha mensal de pagamento. já no primeiro dia no cargo, ele exonerou 18 funcionários em funções comissionadas, totalizando um corte de mais de R$ 65 mil; nos 10 primeiros dias, as exonerações chegaram a 108; em três semanas à frente da ALBA, os cortes somaram mais de R$ 1 milhão

O novo presidente da Assembleia Legislativa da Bahia (ALBA), deputado Ângelo Coronel (PSD), cumpre à risca a promessa que fizera de cortar gastos; para tanto, ele escolheu como medida principal demitir servidores admitidos por meio de cargos de confiança; Coronel espera economizar aproximadamente R$ 1 milhão na folha mensal de pagamento. já no primeiro dia no cargo, ele exonerou 18 funcionários em funções comissionadas, totalizando um corte de mais de R$ 65 mil; nos 10 primeiros dias, as exonerações chegaram a 108; em três semanas à frente da ALBA, os cortes somaram mais de R$ 1 milhão
O novo presidente da Assembleia Legislativa da Bahia (ALBA), deputado Ângelo Coronel (PSD), cumpre à risca a promessa que fizera de cortar gastos; para tanto, ele escolheu como medida principal demitir servidores admitidos por meio de cargos de confiança; Coronel espera economizar aproximadamente R$ 1 milhão na folha mensal de pagamento. já no primeiro dia no cargo, ele exonerou 18 funcionários em funções comissionadas, totalizando um corte de mais de R$ 65 mil; nos 10 primeiros dias, as exonerações chegaram a 108; em três semanas à frente da ALBA, os cortes somaram mais de R$ 1 milhão (Foto: Romulo Faro)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Bahia 247 - Além do fim da reeleição na mesma legislatura, o novo presidente da Assembleia Legislativa da Bahia (ALBA), deputado Ângelo Coronel (PSD), cumpre à risca mais uma promessa de sua campanha: a de cortar gastos. Para tanto, ele escolheu como medida principal demitir servidores admitidos por meio de cargos de confiança. A medida, porém, é vista também com viés político partidário. Nos corredores da ALBA, se ouve teoria de que as demissões atingem primariamente pessoas de alguma forma ligadas ao ex-presidente da Casa, deputado Marcelo Nilo (PSL).

Motivações à parte, Coronel espera economizar aproximadamente R$ 1 milhão na folha mensal de pagamento da Assembleia. Já no primeiro dia no cargo, Coronel exonerou 18 funcionários em funções comissionadas, totalizando um corte de mais de R$ 65 mil. Os salários dos servidores variavam entre R$ 937,00 e R$ 8.000,00.

Nos 10 primeiros dias, as exonerações chegaram a 108 em número de pessoal. Durante esta semana de trabalho, os cortes somaram mais de R$ 1 milhão. Entre os cargos exonerados estavam o de assessor técnico, assessor especial e secretário parlamentar, cujos valores iam de R$ 937,00 e R$ 11 mil. Nos dados mais atualizados, o número de exonerações gira em torno de 130 pessoas.

"Todos os recursos que vamos economizar neste ano serão devolvidos ao Governo do Estado, que devem ser destinados a obras nas bases dos deputados estaduais daqui da nossa Casa", promete Coronel.

Os cortes de comissionados têm a ver também com outra promessa do presidente da Assembleia: a de valorizar os servidores efetivados por meio de concurso público. E neste sentido, ele se reuniu ontem com a diretoria do Sindsalba (Sindicato dos Servidores da Assembleia) para discutir o plano de carreiras do corpo funcional.

Feito nos moldes dos planos de cargos e salários dos tribunais de Contas do Estado (TCE) e do Município (TCM), segundo os dirigentes sindicais, o 'Plano de Carreiras dos Servidores da Alba' beneficia todos os ativos e inativos da Casa – algo em torno de 700 servidores, sendo 335 no exercício da atividade.

Coronel solicitou "de imediato" um estudo para conhecer o impacto na folha de pessoal e pediu para que o plano fosse novamente protocolado na presidência do Legislativo. Ele também se comprometeu a formar uma comissão na Mesa Diretora ainda nesta semana para "debruçar" sobre o assunto. O Plano de Carreiras deverá ser apreciado também pelo plenário.

"Quero resolver o problema, mas preciso me inteirar acerca do seu impacto na folha. Na minha gestão vai estar tudo funcionando", disse Ângelo Coronel.

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247