CUT-RS: ‘quem votar a favor da reforma trabalhista não terá sossego’

A CUT-RS abriu a semana com mobilização na madrugada desta segunda (20) no Aeroporto Internacional Salgado Filho, em Porto Alegre; integrantes de vários sindicatos e federações filiadas protestaram contra a terceirização e as reformas da Previdência e trabalhista do governo Michel Temer; “Os deputados que votarão a favor dessas propostas, que retiram direitos dos trabalhadores, não terão sossego”, avisou o presidente da entidade, Claudir Nespolo; MPT considerou o projeto inconstitucional

A CUT-RS abriu a semana com mobilização na madrugada desta segunda (20) no Aeroporto Internacional Salgado Filho, em Porto Alegre; integrantes de vários sindicatos e federações filiadas protestaram contra a terceirização e as reformas da Previdência e trabalhista do governo Michel Temer; “Os deputados que votarão a favor dessas propostas, que retiram direitos dos trabalhadores, não terão sossego”, avisou o presidente da entidade, Claudir Nespolo; MPT considerou o projeto inconstitucional
A CUT-RS abriu a semana com mobilização na madrugada desta segunda (20) no Aeroporto Internacional Salgado Filho, em Porto Alegre; integrantes de vários sindicatos e federações filiadas protestaram contra a terceirização e as reformas da Previdência e trabalhista do governo Michel Temer; “Os deputados que votarão a favor dessas propostas, que retiram direitos dos trabalhadores, não terão sossego”, avisou o presidente da entidade, Claudir Nespolo; MPT considerou o projeto inconstitucional (Foto: Leonardo Lucena)

Rio Grande do Sul 247 - A Central Única dos Trabalhadores (CUT-RS) abriu a semana com mobilização na madrugada desta segunda-feira (20) no Aeroporto Internacional Salgado Filho, em Porto Alegre. Integrantes de vários sindicatos e federações filiadas protestaram contra a terceirização e as reformas da Previdência e trabalhista do governo Michel Temer, com distribuição de panfletos aos passageiros, dentre eles vários assessores de deputados, bem como aos trabalhadores das empresas aéreas. Segundo a CUT-RS, haverá novas manifestações em outros horários de vôos para Brasília ao longo do dia e na madrugada desta terça-feira (21).

O presidente da Câmara, deputado Rodrigo Maia (DEM-RJ), pretende colocar em votação no plenário da Casa nesta terça-feira o PL 4302/1998, o projeto de lei sobre a terceirização. A proposta permite, por exemplo, que as negociações entre classes patronal e trabalhadora prevaleçam sobre a normas estabelecidas pela Constituição Federal no que diz respeito a salário e a jornada de trabalho.

“O PL 4302/98 é lesivo aos trabalhadores, à Previdência e ao Brasil, uma vez que amplia o trabalho temporário, permite a terceirização na atividade-fim das empresas, rebaixa os salários e reduz a arrecadação do INSS”, denunciou o presidente da CUT-RS, Claudir Nespolo. “Os deputados que votarão a favor dessas propostas, que retiram direitos dos trabalhadores, não terão sossego”, disse.

O projeto elimina o caráter “extraordinário” da contratação ao aumentar a permissão do trabalho temporário para seis meses, com possibilidade de até mais 90 dias, o que, segundo a CUT-RS, elimina o conceito de temporário. A entidade também afirmou que o temporário também não terá direito à multa de 40% sobre o FGTS e ao aviso prévio em casos de demissão sem justa causa. Caso seja aprovado na Câmara, o texto dependerá apenas da sanção do golpista Temer.

“Além de protestarmos no embarque para Brasília, vamos esperá-los no desembarque para dizer que não aceitamos pagar o pato e alertar que os golpistas e os traidores serão varridos pelo povo nas eleições de 2018”, criticou Nespolo. Segundo ele, “o PL 4302/98 é mais um golpe contra a classe trabalhadora. Caso seja aprovado, ele jogará no lixo a CLT (Consolidação das Leis do Trabalho) e os direitos trabalhistas”.

Antiga reivindicação dos empresários para afrouxar a legislação trabalhista, o texto aprofunda os ataques à classe trabalhadora. segundo a CTU-RS. Um dossiê “Terceirização e Desenvolvimento, uma conta que não fecha”, lançado pela CUT e pelo Dieese (Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos) apontou que os terceirizados ganham 25% menos, trabalham quatro horas a mais e ficam 2,7 anos a menos no emprego quando comparados com os contratados diretos.

A terceirização favorece ainda situações análogas à escravidão, disparou a CUT-RS. O documento aponta que, entre 2010 e 2013, entre os 10 maiores resgates de trabalhadores escravizados, nove eram terceirizados.

Para MPT, projeto é inconstitucional

O Ministério Público do Trabalho considerou a reforma inconstitucional. Em publicação oficial, o procurador-geral do Trabalho, Ronaldo Fleury, chama de "falacioso" o argumento de que uma flexibilização das leis trabalhistas incentivaria a criação de empregos e disse que "os mesmos grupos econômicos e políticos" sempre defenderam a proposta que hoje atribuem à crise.

"Esse argumento cai por terra a partir do momento em que essas propostas idênticas foram apresentadas quando o Brasil tinha uma economia pujante", disse. 

Quanto à negociação do negociado sobre o legislado, o MPT disse que teria "o único propósito de permitir a exclusão de direitos trabalhistas pela via negocial".

O MPT também afirmou que é necessário vedar a terceirização da atividade-fim dentro do PLC nº 30/2015. Essa prática, diz o documento, é inconstitucional porque sonega os direitos trabalhistas.

"A terceirização da atividade-fim caracteriza intermediação ou locação de mão de obra, com a interposição de terceiro entre os sujeitos da prestação de trabalho, reduzindo o trabalhador à condição de objeto, de coisa. Arranjo artificial que ofende a dignidade da pessoa humana", escreve a nota do Ministério Público.

O texto também alerta para uma violação de princípios internacionais da OIT e afirma que as mudanças não são capazes de diminuir as taxas de desemprego, além de questionar os argumentos apresentados para introduzir esse modelo de contrato. (veja aqui). 

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247