Deputados apontam temas prioritários para debates pós-recesso

A manutenção do Tribunal de Contas do Município (TCM), o desemprego e os salários dos servidores e a escassez de recursos hídricos no Estado, são os temas que devem ter prioridade no retorno dos trabalhos da Assembleia Legislativa, a partir de fevereiro. “Muitas cidades decretaram calamidade pública e existe problema de abastecimento por parte do próprio Exército”, frisou o deputado Walter Cavalcante

A manutenção do Tribunal de Contas do Município (TCM), o desemprego e os salários dos servidores e a escassez de recursos hídricos no Estado, são os temas que devem ter prioridade no retorno dos trabalhos da Assembleia Legislativa, a partir de fevereiro. “Muitas cidades decretaram calamidade pública e existe problema de abastecimento por parte do próprio Exército”, frisou o deputado Walter Cavalcante
A manutenção do Tribunal de Contas do Município (TCM), o desemprego e os salários dos servidores e a escassez de recursos hídricos no Estado, são os temas que devem ter prioridade no retorno dos trabalhos da Assembleia Legislativa, a partir de fevereiro. “Muitas cidades decretaram calamidade pública e existe problema de abastecimento por parte do próprio Exército”, frisou o deputado Walter Cavalcante (Foto: Rodrigo Rocha)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Ceará247 - No retorno dos trabalhos da Assembleia Legislativa, a partir de fevereiro, o foco dos debates deve girar em torno de temas como a manutenção do Tribunal de Contas do Município (TCM), a escassez dos recursos hídricos no Estado, desemprego e salários de servidores.

É o que apontam alguns parlamentares, como a deputada Dra. Silvana (PMDB), que considera a discussão sobre a manutenção do TCM uma das prioridades. Para a parlamentar, a imagem da AL e da Comissão de Constituição, Justiça e Redação (CCJ) ficou prejudicada após a votação.

“A Assembleia votou uma matéria inconstitucional, colocando o Ceará na vitrine para a população e para o resto do País. É preciso maturar essa decisão, reavaliar e ajudar a construir saídas que venham a deixar a Assembleia melhor”, destacou Dra. Silvana.

A crise de recursos hídricos no Ceará é o que deve receber maior atenção, segundo os deputados Walter Cavalcante (PP) e Renato Roseno (Psol).

De acordo com Walter Cavalcante, o prognóstico das chuvas divulgado pela Fundação Cearense de Recursos Hídricos (Funceme), apontando probabilidade de 40% de ocorrência de chuvas na média histórica, não trará grandes mudanças ao Estado, que enfrenta seca nos últimos cinco anos.

“Esse problema é no Estado todo, muitas cidades decretaram calamidade pública e existe problema de abastecimento por parte do próprio Exército”, frisou o deputado.

O parlamentar destacou também a votação de projetos que devem ser enviados pelo Executivo, como a concessão de patrimônios do Estado à iniciativa privada. “Uma das ações que o Governo pretende fazer é enviar para a iniciativa privada alguns patrimônios como o Centro de Eventos, o Acquário, o Centro Olímpico. Não adianta o Governo possuir, sem ter utilidade. Nesse aspecto, é bom que haja essa parceria, no intuito de trazer recursos para o Estado e aplicar em outras áreas como saúde e educação”, defendeu.

Já Renato Roseno acredita que deve haver atenção especial para a possibilidade de fechamento das termelétricas do Pecém. Em dezembro passado, a Comissão Especial de Acompanhamento e Monitoramento das Obras de Transposição do São Francisco apresentou, entre as medidas emergenciais para amenizar os efeitos da seca, a paralisação temporária das usinas. O deputado do Psol levantou ainda temas como a Reforma da Previdência e a crise do emprego para a agenda de discussões.

Enquanto isso, o líder do Governo, deputado Evandro Leitão (PDT), realçou a média salarial do Nordeste para os policiais militares e a revisão do salário dos servidores públicos como as duas matérias de maior importância nos próximos debates da Casa.

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email