Doria diz que parte de prédio que desabou era ocupada por facção criminosa

Par ao ex-prefeito de São Paulo e pré-candidato ao governo do Estado, João Doria (PSDB), a solução para evitar tragédias como a do incêndio e o desabamento do edifício na capital paulista é evitar novas ocupações de moradores; "A solução é evitar as invasões, o prédio foi invadido, e parte dela por uma facção criminosa", disse

28/06/2017- Brasília- DF, Brasil- A bancada do PSDB na Câmara se reúne com o prefeito de São Paulo, João Doria Foto: Wilson Dias/EBC/FotosPúblicas
28/06/2017- Brasília- DF, Brasil- A bancada do PSDB na Câmara se reúne com o prefeito de São Paulo, João Doria Foto: Wilson Dias/EBC/FotosPúblicas (Foto: Gisele Federicce)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

SP 247 - Em mais uma declaração polêmica e que demonstra total distanciamento dos problemas da cidade de São Paulo, o ex-prefeito da capital e pré-candidato ao governo do Estado, João Doria (PSDB), afirmou nesta terça-feira 1º que a solução para evitar tragédias como a do incêndio e o desabamento do edifício no centro nesta madrugada é evitar "invasões" - e não fazer um plano para moradias para a população sem teto.

"A solução é evitar as invasões, o prédio foi invadido, e parte dela por uma facção criminosa", acusou o tucano, sem qualquer indício. Segundo ele, a Prefeitura de São Paulo tentou várias vezes, durante sua gestão, desocupar o prédio que pertencia à Caixa Econômica Federal e abrigar as pessoas em outros imóveis, mas "todas foram rechaçadas com ameaça de violência, porque ali era um centro de distribuição de drogas, além de abrigar famílias em situação de rua".

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247