Economia goiana cresce acima da média nacional

Estimativas do Instituto Mauro Borges de Estatísticas e Estudos Socioeconômicos (IMB/Segplan) apontam expansão de 2,1% no Produto Interno Bruto de Goiás no segundo trimestre de 2014, na comparação com o mesmo trimestre do ano anterior; no mesmo período, o PIB brasileiro recuou -0,9%, segundo o IBGE; desempenho do Estado foi resultado do crescimento de mesma magnitude dos setores de serviços (2,2%), agropecuária (2,0%) e indústria (2,0%); valor estimado para o PIB goiano, nesse segundo trimestre, atingiu o montante de R$ 36,060 bilhões

Estimativas do Instituto Mauro Borges de Estatísticas e Estudos Socioeconômicos (IMB/Segplan) apontam expansão de 2,1% no Produto Interno Bruto de Goiás no segundo trimestre de 2014, na comparação com o mesmo trimestre do ano anterior; no mesmo período, o PIB brasileiro recuou -0,9%, segundo o IBGE; desempenho do Estado foi resultado do crescimento de mesma magnitude dos setores de serviços (2,2%), agropecuária (2,0%) e indústria (2,0%); valor estimado para o PIB goiano, nesse segundo trimestre, atingiu o montante de R$ 36,060 bilhões
Estimativas do Instituto Mauro Borges de Estatísticas e Estudos Socioeconômicos (IMB/Segplan) apontam expansão de 2,1% no Produto Interno Bruto de Goiás no segundo trimestre de 2014, na comparação com o mesmo trimestre do ano anterior; no mesmo período, o PIB brasileiro recuou -0,9%, segundo o IBGE; desempenho do Estado foi resultado do crescimento de mesma magnitude dos setores de serviços (2,2%), agropecuária (2,0%) e indústria (2,0%); valor estimado para o PIB goiano, nesse segundo trimestre, atingiu o montante de R$ 36,060 bilhões (Foto: Realle Palazzo-Martini)

247 - Segundo estimativas do Instituto Mauro Borges de Estatísticas e Estudos Socioeconômicos da Secretaria de Gestão e Planejamento (IMB/Segplan), o Produto Interno Bruto de Goiás registrou, no segundo trimestre de 2014, expansão de 2,1%, na comparação com o mesmo trimestre do ano anterior. Esse desempenho foi resultado do crescimento de mesma magnitude dos setores de serviços (2,2%), agropecuária (2,0%) e indústria (2,0%). O valor estimado para o PIB goiano, nesse segundo trimestre, atingiu o montante de R$ 36,060 bilhões.

No confronto dos resultados da economia goiana com a média nacional, o segundo trimestre foi favorável ao Estado de Goiás (2,1%) que descolou da taxa Brasil (-0,9%), visto que no primeiro trimestre os dois indicadores apresentaram variações semelhantes, 2,1% e 1,9%, respectivamente.

No acumulado dos seis primeiros meses do ano, o PIB goiano apresentou incremento de 2,1%. Dessa forma, o desempenho de Goiás foi quatro vezes maior do que a média nacional, de 0,5%. O comportamento da conjuntura macroeconômica nacional tem gerado incertezas por parte dos empresários, inibindo investimentos, por causa da elevada taxa de juros, ano eleitoral, entre outros fatores, comprometendo o desempenho da atividade econômica.

Destaque

O PIB brasileiro apresentou dois trimestres seguidos de resultado negativo. Ao contrário, Goiás tem sobressaído principalmente no setor industrial, apresentando resultados favoráveis no setor de alimentos, biocombustíveis (etanol) e outros produtos químicos, estimulado pelos diversos aportes de recursos e política de incentivos fiscais.

Para o secretário de Gestão e Planejamento em exercício, Otávio Alexandre da Silva, o bom desempenho da economia goiana no 1º semestre do ano, ainda que a economia nacional esteja em uma recessão técnica, conforme avaliam os economistas, é fruto principalmente da recuperação da indústria de transformação, notadamente os segmentos de produtos alimentícios e produção de etanol, uma vez que foi registrada uma safra recorde de cana-de-açúcar. Esse comportamento, associado à estimativa de crescimento anual da safra e às maiores exportações de commodities, sinalizam continuidade do crescimento da atividade econômica do Estado nos próximos trimestres.

Desempenho

Assim como no primeiro trimestre de 2014, o segundo trimestre do ano foi influenciado pela contribuição do setor de serviços no desempenho do PIB de Goiás. No entanto, houve recuperação da atividade Agropecuária, dado que havia registrado queda nos três primeiros meses do ano.

A atividade Agropecuária no 2º trimestre, mesmo não apresentando um resultado elevado, superou a queda registrada no primeiro trimestre, de 1,9%. As culturas de maior peso da agricultura goiana não apresentaram no segundo trimestre relevante colheita devido ao seu perfil de safra. O destaque no período foi o milho, especialmente o da segunda safra. A pecuária seguiu em leve expansão, motivada pelos incrementos no rebanho suíno e bovino. O setor de carnes, pela maior demanda por conta da Copa do Mundo, impulsionou o segmento.     

No sentido contrário da indústria brasileira, que apresentou variação negativa no período, o desempenho industrial em Goiás continuou positivo no segundo trimestre de 2014. O diferencial ficou por conta da indústria de transformação, com avanços em volume na fabricação de produtos alimentícios, biocombustíveis (etanol) e outros produtos químicos, devido principalmente ao aquecimento das vendas de alimentos na rede varejista propiciado pela Copa do Mundo, à demanda doméstica de combustíveis e aos insumos referentes à Agropecuária.

Conheça a TV 247

Mais de Geral

Ao vivo na TV 247 Youtube 247