Entidade tenta derrubar aumento na conta de água

Associação de Consumidores Proteste entrou com recurso para tentar barrar na Justiça o aumento de 15,24% na conta de água dos consumidores abastecidos pela Sabesp; a entidade defende que o aumento seja considerado abusivo e solicita ainda a devolução do dinheiro aos clientes, caso o reajuste seja cobrado nas próximas contas

 Sao Paulo SP Brasil  05 05 2015 mesmo com racionamentos reducao de pressao Sabesp aumenta a agura no estado de Sao Paulo Foto Fernanda Carvalho Fotos Publicas
Sao Paulo SP Brasil 05 05 2015 mesmo com racionamentos reducao de pressao Sabesp aumenta a agura no estado de Sao Paulo Foto Fernanda Carvalho Fotos Publicas (Foto: Gisele Federicce)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Marli Moreira – Repórter da Agência Brasil

A Associação de Consumidores Proteste tenta barrar na Justiça o aumento de 15,24% na conta de água dos consumidores abastecidos pela Companhia do Saneamento Básico do Estado de São Paulo (Sabesp). Ontem (5), a entidade entrou com recurso, na 8ª Vara da Fazenda Pública do Estado de São Paulo, contra o reajuste.

Na argumentação, a Proteste defende que o aumento seja considerado abusivo e solicita ainda a devolução do dinheiro aos clientes, caso o reajuste seja cobrado nas próximas contas. Pelos cálculos da entidade, a correção, que começar a vigorar em junho, deveria ser pouco mais que a metade do percentual anunciado: 7,78%.

O aumento da tarifa foi autorizado ontem (5) pela Agência Reguladora de Saneamento e Energia do Estado de São Paulo (Arsesp) que, apesar de conceder o reajuste, reduziu o percentual pleiteado de 22,7% para os 15,24% anunciados, a partir de junho. Além da reposição inflacionária, o percentual foi concedido a título de compensar perdas financeiras causadas pela crise hídrica com a consequente queda no consumo e também pela pressão de custos da energia elétrica.

Na avaliação da diretoria da Proteste, no entanto, o consumidor está sendo prejudicado. "É absurdo ter sido considerada a queda da demanda para a Arsesp autorizar reajuste da tarifa acima da inflação, quando o consumidor foi estimulado a economizar água por conta da grave crise de abastecimento do Estado. Ou incluir o aumento de custo da energia elétrica para justificar, além dos 7,78%, mais 6,9154% para revisão tarifária extraordinária. Afinal, o consumidor já está pagando mais também na conta de luz", informa a nota da entidade.

A Proteste lembra que o último reajuste na conta, de 6,5%, ocorreu em dezembro do ano passado e que a inflação acumulada desde esse período está em 4,63%.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como:

• Cartão de crédito na plataforma Vindi: acesse este link

• Boleto ou transferência bancária: enviar email para [email protected]

• Seja membro no Youtube: acesse este link

• Transferência pelo Paypal: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Patreon: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Catarse: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Apoia-se: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Vakinha: acesse este link

Inscreva-se também na TV 247, siga-nos no Twitter, no Facebook e no Instagram. Conheça também nossa livraria, receba a nossa newsletter e ative o sininho vermelho para as notificações.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247