Estado já tem 17 mortes por gripe H1N1

O secretário estadual da saúde João Gabbardo apresentou o novo boletim epidemiológico da Influenza; até o momento, são 17 mortos em decorrência do vírus H1N1 no Estado e mais um de vírus ainda não subtipado, que pode se tratar de H1N1 ou H2N3; "Os números nos preocupam pela quantidade de óbitos, principalmente, por H1N1. Com a vacinação iniciando na segunda-feira, é importante que tenhamos a redução de complicações", disse Gabbardo; Porto Alegre tem o maior número de mortes, com seis casos

Curitiba atingiu a meta da Campanha Nacional de Vacinação contra Gripe, imunizando 80,5% da população integrante dos grupos vulneráveis até esta quarta-feira (27).
Foto: Maurilio Cheli/SMCS
Curitiba atingiu a meta da Campanha Nacional de Vacinação contra Gripe, imunizando 80,5% da população integrante dos grupos vulneráveis até esta quarta-feira (27). Foto: Maurilio Cheli/SMCS (Foto: José Barbacena)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Rio Grande do Sul 247 - O secretário estadual da saúde João Gabbardo apresentou o novo boletim epidemiológico da Influenza. Até o momento, são 17 mortos em decorrência do vírus H1N1 no Estado e mais um de vírus ainda não subtipado, que pode se tratar de H1N1 ou H2N3.

"Os números nos preocupam pela quantidade de óbitos, principalmente, por H1N1. Com a vacinação iniciando na segunda-feira, é importante que tenhamos a redução de complicações e de necessidade de internação hospitalar, especialmente dos grupos de risco", disse Gabbardo.

Porto Alegre tem o maior número de mortes, com seis casos. Os outros ocorreram em Novo Hamburgo, Flores da Cunha, Vacaria, Carazinho, Tapera, Uruguaiana, Erechim, Santa Rosa, Tucunduva, Arroio do Sal e Frederico Westphalen.

Dos casos confirmados, apenas dois não apresentavam comorbidades: um homem de 46 anos, e outro de 35, ambos moradores de Porto Alegre. Também houve registro da morte de um bebê de um ano em Carazinho e de um adolescente de 15 anos na Capital, este último a Secretaria Estadual da Saúde investiga se tinha alguma comorbidade. Todos os outros pacientes apresentavam alguma comorbidade.

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247