Estudante Ana Júlia volta a dar o recado: ocupações continuarão

A secundarista Ana Júlia Ribeiro, de 16 anos, que ficou conhecida nacionalmente após sua fala na Assembleia Legislativa do Paraná em defesa do movimento de ocupação nas escolas de todo o país, afirmou nesta quinta-feira 10, agora na Assembleia Legislativa de São Paulo, que os estudantes estão defendendo o futuro do Brasil; "Por um Brasil que não seja de uma elite", declarou, ao participar de audiência pública sobre a PEC 241, que congela os gastos públicos por 20 anos; assista

A secundarista Ana Júlia Ribeiro, de 16 anos, que ficou conhecida nacionalmente após sua fala na Assembleia Legislativa do Paraná em defesa do movimento de ocupação nas escolas de todo o país, afirmou nesta quinta-feira 10, agora na Assembleia Legislativa de São Paulo, que os estudantes estão defendendo o futuro do Brasil; "Por um Brasil que não seja de uma elite", declarou, ao participar de audiência pública sobre a PEC 241, que congela os gastos públicos por 20 anos; assista
A secundarista Ana Júlia Ribeiro, de 16 anos, que ficou conhecida nacionalmente após sua fala na Assembleia Legislativa do Paraná em defesa do movimento de ocupação nas escolas de todo o país, afirmou nesta quinta-feira 10, agora na Assembleia Legislativa de São Paulo, que os estudantes estão defendendo o futuro do Brasil; "Por um Brasil que não seja de uma elite", declarou, ao participar de audiência pública sobre a PEC 241, que congela os gastos públicos por 20 anos; assista (Foto: Gisele Federicce)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Por Sarah Fernandes, da Rede Brasil Atual - A secundarista Ana Júlia Ribeiro, de 16 anos, que ficou conhecida nacionalmente após sua fala na Assembleia Legislativa do Paraná sobre as razões do movimento de ocupação nas escolas de todo o país, afirmou hoje (10) que os estudantes estão defendendo o futuro do Brasil.

A aluna do Colégio Estadual do Paraná, em Curitiba, participou de audiência pública na Assembleia Legislativa de São Paulo sobre a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 55 (antiga 241), que congela os investimentos sociais do governo federal por 20 anos e é um dos principais motivos das ocupações, junto com a reforma da estrutura curricular do ensino médio, prevista na Medida Provisória 746 – ambos projetos do governo de Michel Temer.

“Estamos lutando porque acreditamos no futuro do país. Queremos que o Brasil não seja um país elitizado, mas seja para todos”, disse durante. “Com essas medidas o pobre ficará mais pobre e o rico ficará mais rico.”

Ana Júlia afirmou que antes das ocupações os estudantes organizaram uma série de mobilizações de rua, mas não conseguiram ser ouvidos. “Só ganhamos visibilidade quando começamos a incomodar. Por isso vamos continuar ocupando as escolas, porque acreditamos na educação pública de qualidade.”

A secundarista denunciou que o movimento no Paraná, estado que concentrou o maior número de escolas ocupadas, vem sofrendo investidas violentas de grupos conservadores. “Batem na cara de estudantes, tentam arrombar as portas das escolas durante a noite e ainda nos chamam de invasores”, relatou.

Aplaudida várias vezes, Ana Júlia lembrou que a luta dos estudantes é também contra a Lei da Mordaça, como as comunidades escolares chamam o projeto Escola sem Partido, por cercear debates de ideias nas aulas. “Sabemos que Escola sem Partido é na verdade a escola de um partido só”, provocou. Segundo ela, a escola tem de ser política, discutir tabus e explorar todo os lados. “O adolescente é um sujeito de direito que tem de ser escutado. Nós pensamos por nós próprios, fazemos nossa crítica”, defendeu. “Um estudante se derruba fácil, mas todos ninguém derruba.”

Assista

 

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247