EUA investigam ligação entre cartolas e Odebrecht

Investigadores do Departamento de Justiça americano estão investigando se os cartolas do futebol brasileiro foram beneficiados por contratos obtidos pela Odebrecht; a suspeita é que tenha havido pagamento de propina pela empreiteira na construção dos estádios de futebol para a Copa de 2014; desde 2015, dirigentes brasileiros passaram a ser indiciados pela Justiça americana, entre eles Ricardo Teixeira e Marco Polo del Nero, atual presidente da CBF; segundo as apurações, ao lado de Ricardo Teixeira, Jérôme Valcke teria fechado um acordo para tirar a Copa do estádio do Morumbi e abrir caminho para a construção de um novo estádio, erguido pela Odebrecht, em Itaquera – a Arena Corinthians

Investigadores do Departamento de Justiça americano estão investigando se os cartolas do futebol brasileiro foram beneficiados por contratos obtidos pela Odebrecht; a suspeita é que tenha havido pagamento de propina pela empreiteira na construção dos estádios de futebol para a Copa de 2014; desde 2015, dirigentes brasileiros passaram a ser indiciados pela Justiça americana, entre eles Ricardo Teixeira e Marco Polo del Nero, atual presidente da CBF; segundo as apurações, ao lado de Ricardo Teixeira, Jérôme Valcke teria fechado um acordo para tirar a Copa do estádio do Morumbi e abrir caminho para a construção de um novo estádio, erguido pela Odebrecht, em Itaquera – a Arena Corinthians
Investigadores do Departamento de Justiça americano estão investigando se os cartolas do futebol brasileiro foram beneficiados por contratos obtidos pela Odebrecht; a suspeita é que tenha havido pagamento de propina pela empreiteira na construção dos estádios de futebol para a Copa de 2014; desde 2015, dirigentes brasileiros passaram a ser indiciados pela Justiça americana, entre eles Ricardo Teixeira e Marco Polo del Nero, atual presidente da CBF; segundo as apurações, ao lado de Ricardo Teixeira, Jérôme Valcke teria fechado um acordo para tirar a Copa do estádio do Morumbi e abrir caminho para a construção de um novo estádio, erguido pela Odebrecht, em Itaquera – a Arena Corinthians (Foto: Aquiles Lins)

247 - Investigadores do Departamento de Justiça dos Estados Unidos estão investigando se os cartolas do futebol brasileiro foram beneficiados por contratos obtidos pela Odebrecht, construtora investigada na Operação Lava Jato no Brasil.

Desde 2015, dirigentes brasileiros passaram a ser indiciados pela Justiça americana, entre eles Ricardo Teixeira e Marco Polo del Nero, atual presidente da CBF. José Maria Marin, que dirigiu a entidade, é o único que foi extraditado e cumpre prisão domiciliar em Nova York. Os americanos também investigam outros cartolas, entre eles o ex-secretário-geral da Fifa, Jérôme Valcke.

Os investigadores americanos estão cruzando informações referentes à construção de estádios da Copa em 2014. O resultado do inquérito poderá alimentar o julgamento contra cartolas brasileiros e mesmo europeus.

Segundo as apurações, ao lado de Ricardo Teixeira, Jérôme Valcke teria fechado um acordo para tirar a Copa do estádio do Morumbi e abrir caminho para a construção de um novo estádio, erguido pela Odebrecht, em Itaquera – a Arena Corinthians. 

Delações ainda apontaram como o consórcio liderado pela Odebrecht na reforma do Maracanã para a Copa do Mundo serviu para desviar recursos para partidos políticos.

Num e-mail que faz parte do relatório da Polícia Federal (PF), Marcelo Odebrecht cita a Fifa ao se referir aos planos para a construção do estádio do Corinthians e a necessidade de "recursos adicionais" para que a arena pudesse estar dentro dos padrões para ser escolhida como local de abertura da Copa de 2014.

Leia reportagem de Jamil Chade sobre o assunto.

Conheça a TV 247

Ao vivo na TV 247 Youtube 247